DECISÃO

Justiça rejeita pedido de anulação do júri popular que absolveu kombeiros do caso Serrambi

Marcelo e Valfrido Lira foram acusados de matar as jovens Maria Eduarda Dourado e Tarsila Gusmão, na Praia de Serrambi

Da Rádio Jornal, com informações do NE10
Da Rádio Jornal, com informações do NE10
Publicado em 10/03/2015 às 17:48
Leitura:
Foto: Lélia Perlim / Rádio Jornal


A Câmara do Tribunal de Justiça de Pernambuco rejeitou pedido de anulação do júri popular de 2010, que absolveu os irmãos kombeiros Marcelo e Valfrido Lira. Eles foram acusados de matar as jovens Maria Eduarda Dourado e Tarsila Gusmão, na Praia de Serrambi, Litoral Sul Pernambucano, no mês de maio de 2003.

O advogado dos kombeiros, Jorge Wellington, disse considerar a decisão uma vitória da sociedade pernambucana e do povo brasileiro. Já a acusação disse que vai recorrer em outras instâncias. Esta é a segunda vez que o pedido de anulação é negado, a primeira foi em março de 2014.

O caso já foi investigado cinco vezes, sendo duas pela Polícia Federal e outras três pela Polícia Civil. Em todas as conclusões, Marcelo e Valfrido foram apontados como autores do crime. O mesmo pedido de anulação foi feito em março do ano passado, mas o procurador da Justiça Criminal do Ministério Público, Gilson Roberto de Melo, emitiu parecer negativo ao pedido, alegando fragilidade das provas apresentadas. Se for anulado desta vez, o crime ficará mais uma vez sem solução.

RELEMBRE O CASO -

Foto: Reprodução / Arquivo


As adolescentes Tarsila Gusmão e Maria Eduarda Dourado desapareceram no dia 3 de maio de 2003, e os corpos foram encontrados dez dias depois pelo pai de Tarsila, José Vieira, em um canavial em Camela, distrito de Ipojuca. Após sete anos de espera, vários personagens, boatos e três inquéritos devolvidos, os kombeiros Marcelo e Valfrido Lira foram absolvidos das acusações de tentativa de estupro e homicídio duplamente qualificado. O julgamento durou cinco dias e ocorreu em setembro de 2010, no Tribunal do Júri de Ipojuca.

Mais Lidas