PRESÍDIOS

Com caos no sistema penitenciário, Rio Grande do Norte pede reforço da Força Nacional

Desde a semana passada, várias unidades prisionais foram cenário de rebeliões e motins. Não há registro de reféns ou de agressões e mortes entre os presos, mas todas as celas foram destruídas

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 17/03/2015 às 13:46
Leitura:
Foto: Valter Campanato / Agência Brasil


A cidade de Natal, no Rio Grande do Norte, vive dias de caos depois que duas facçõees criminosas resolveram estabelecer um clima de pânico na cidade. Eles reivindicam a saída da diretora do maior presidio do Estado e também melhores condições para unidades prisionais do Rio Grande do Norte. Os presos também reclamam do tratamento dispensado a eles e aos familiares quando vão visitá-los nas cadeias.

Desde a semana passada, várias unidades prisionais foram cenário de rebeliões e motins. Não há registro de reféns ou de agressões e mortes entre os presos, mas todas as celas foram destruídas e os presos estão soltos, mantidos em cárcere apenas pelo muro.

Na noite dessa segunda (16), pelo menos quatro ônibus foram incendiados. As empresas recolheram os veículos e muita gente não teve como voltar para casa. Uma avalanche de boatos ajudou a instaurar o pânico na cidade. O Governo do Estado conclamou a Força Nacional para controlar a situação.

Mais Lidas