EDUCAÇÃO

Sindicato diz que vai recorrer da decisão da justiça que considera a greve dos professores ilegal

Caso o expediente não seja regularizado, o SINTEPE pode ser obrigado a pagar multa de R$ 30 mil por dia

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 16/04/2015 às 9:27
Leitura:
Foto: Mariana Dantas/NE10


A liminar foi concedida na tarde desta quarta-feira (15) pelo desembargador Jovaldo Nunes do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE). Isso significa que os trabalhadores em educação deveriam retornar as escolas nesta quinta-feira (16), no horário rotineiro. De acordo com a ordem judicial, caso as aulas não voltarem, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (SINTEPE) terá que pagar multa de R$ 30 mil por dia.

Em nota, o Governo do Estado orientou os pais e responsáveis a levar os alunos as escolas nesta quinta-feira. Enquanto isso, o presidente do SINTEPE, Fernando Melo, diz que a greve vai continuar.

Os educadores vão manter a agenda de atividades com a assembleia geral marcada para esta manhã, no Centro de Convenções. Os professores reivindicam o reajuste no piso salarial de 13,01% para todos trabalhadores e não apenas para quem tem o antigo magistério.

A repórter Clarissa Siqueira foi às ruas e constatou que o expediente não foi restabelecido. Na Escola de Referência Nóbrega, em Campo Grande, Zona Norte do Recife, os alunos do 3º do Ensino Médio, foram avisados que haveria aulas e foram à escola, porém, os próprios discentes explicam que estão do lado dos professores e só vão voltar às aulas quando as reivindicações dos mestres forem atendidas. "Grande parte dos alunos estão unidos, há diversas páginas de apoio no facebook, e nós só vamos voltar as aulas quando tudo for resolvido", diz a estudante Vivian Mariale, de 16 anos.

Mais Lidas