ECONOMIA

Comércio e indústria traçam projeções negativas com o reajuste acima de 10% na conta de luz

Reajuste residencial ficou em 11,19%. Ao calcular o aumento, a ANEEL considera a variação de custos que a empresa teve no ano.

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 23/04/2015 às 11:23
Leitura:
Para a CDL, as lojas que não conseguirem economizar, vão repassar o aumento para o consumidor. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem


A conta de luz do pernambucano vai ficar mais cara pela segunda vez esse ano. A partir de da próxima quarta-feira (29), os clientes residenciais terão um reajuste de 11,19% nas suas contas. O reajuste foi aprovado nessa quarta-feira (22) pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Na reunião, ficou definido que o reajuste médio seria de 10,91% para os consumidores de alta tensão e 11,25% para os de baixa tensão. Os clientes residenciais estão inclusos no atendimento em baixa tensão e representam 99% do total da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe). Ao calcular o reajuste, a ANEEL considera a variação de custos que a empresa teve no ano. Saiba mais na reportagem de Ísis Lima:

O comércio também pertence ao atendimento em baixa tensão. Por conta disso, os clientes podem ver o reflexo da conta mais alta também nos preços dos produtos do comércio. O presidente da Câmara de Dirigentes Logistas (CDL) do Recife, Eduardo Catão, afirma que pode acabar sobrando para o consumidor. “O comércio vai reagir procurando economizar na sua energia e, dependendo de quanto isso represente para sua empresa, repassando para o consumidor. Aquelas empresas cujo gasto de energia representa um custo muito baixo, podem até absorver o reajuste, mas, se representar percentual alto, elas vão ter que repassar”, diz.

Presidente em exercício da federação das indústrias de pernambuco (fiepe), ricardo essínger, avalia o reajuste para o setor e aponta que há riscos de demissões nas indústrias. “Vamos ser otimistas e esperar que o nosso empresário seja criativo e consiga fazer com que esse reajuste não tanto em cima da nossa economia”, completa.

Mais Lidas