DIAGNÓSTICO

Secretaria de Saúde determina que "nova virose" seja notificada como dengue

O órgão está está realizando investigação dos casos atípicos da doença. Manchas vermelhas que coçam, com ou sem febre, são sintomas da nova dengue.

Com informações de assessoria
Com informações de assessoria
Publicado em 23/04/2015 às 6:07
Leitura:
Imagem ilustrativa. Foto: reprodução internet


Os pacientes que chegarem às unidades de saúde com exantema (manchas avermelhadas na pele), acompanhado ou não de febre e outros sintomas, deverão ser notificados como casos suspeitos de dengue, assim como aqueles que possuem a sintomatologia clássica da doença. Essa é a determinação da Secretaria Estadual de Saúde (SES) que está sendo encaminhada, esta semana, a todas as secretarias municipais de Saúde e também às unidades de saúde de todo o Estado.

O objetivo é auxiliar no tratamento dos pacientes, divulgando os sinais de alerta da dengue e a necessidade de hidratação. “Os doentes precisam ir a uma unidade básica de saúde para que seja iniciado o tratamento, evitando que a doença se agrave. Além disso, a notificação do caso é obrigatória em todo o serviço de saúde e ajuda a orientar as ações de campo para evitar que novos casos ocorram e para nortear as investigações que estão sendo realizadas pela SES”, diz a coordenadora do Programa de Controle da Dengue da SES, Claudenice Pontes.

Desde janeiro, o Estado vem verificando, em todas as regiões, casos atípicos de doença exantemática que não se enquadra nas definições preconizadas pelo Ministério da Saúde para dengue e outras doenças de notificação obrigatória.Contudo, até o momento, pelas amostras analisadas pelo Lacen-PE, laboratório de referência estadual, foram confirmados apenas casos de dengue. “Apesar da presença de edema articular em alguns casos, esse sintoma desaparece rapidamente, o que descarta a possibilidade de chikungunya, que apresenta dores mais fortes e que podem durar meses”, avisa Claudenice, lembrando que ainda não há caso autóctone de chikungunya em Pernambuco.

INVESTIGAÇÃO – Desde o mês de março, a SES iniciou um estudo sobre os casos atípicos de doenças exantemáticas, que, hoje, está auxiliando o Ministério da Saúde a montar um plano de investigação para outros Estados do Nordeste. Para que o trabalho seja feito em Pernambuco, nove unidades sentinelas em Olinda, Jaboatão dos Guararapes, São Lourenço da Mata e Recife estão fazendo coletas de amostras clínicas para auxiliar nesse processo.

Estão sendo selecionados os casos com exantemas, acompanhados ou não de febre ou de outros sintomas, até o terceiro dia do início dos sinais e sintomas. Esse estudo está sendo realizado até o final de junho. “As amostras são encaminhadas para o Lacen, que realiza o exame de PCR, que pesquisa a presença do vírus da doença. Se for dengue, saberemos qual o tipo. Se der negativo, a secretaria municipal de Saúde é acionada para uma segunda coleta de sangue para a realização da sorologia, quando será verificada a possibilidade de dengue e outros vírus”, ressalta a coordenadora do Programa de Controle da Dengue da SES, Claudenice Pontes.

Se nenhuma doença for confirmada na sorologia, as amostras serão encaminhadas para o Instituto Evandro Chagas, em Belém/PA, que é o laboratório de referência nacional na investigação de arbovírus. “Com a investigação, poderemos analisar a sintomatologia, faixa etária e local de ocorrência dos casos. A partir disso, poderemos entender o funcionamento dessa doença”, ratifica Claudenice. Além da SES, o trabalho tem o apoio das secretarias municipais de Saúde de Olinda, Jaboatão dos Guararapes, São Lourenço da Mata e Recife, do Lacen-PE e do Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães (CPqAM).

Mais Lidas