CASO VANIELA

Polícia conclui que estudante de Direito falsificou documento para fugir de casa e se hospedar em hotel

De acordo com a delegada, Vaniela Oliveira Gomes, de 26 anos, será indiciada por falsificação de documento público

Da Rádio Jornal; atualizada às 21h20
Da Rádio Jornal; atualizada às 21h20
Publicado em 03/06/2015 às 10:49
Leitura:
Foto: reprodução/facebook


O mistério em torno do desaparecimento de Vaniela Oliveira Gomes, de 26 anos, chegou ao fim nesta quarta-feira (3), uma semana depois do sumiço da jovem. Em coletiva de imprensa, a delegada do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Gleide Ângelo, disse que a administradora teria colocado a própria foto em um RG de outra pessoa para se hospedar em uma pousada na praia de Tambaú, na Paraíba.

De acordo com a delegada, ela será indiciada por falsificação de documento público. Ela vai responder ao inquérito e pode pegar de 2 a 6 anos de prisão. A intenção da administradora ao usar o documento falso era não ser descoberta pela família. Saiba mais na reportagem de Rafael Carneiro:

A delegada explica que Vaniela passava por um momento depressivo e se sentiu vontade de "desaparecer" na quarta-feira (27). Ao sair do Fórum de Jaboatão, que fica do bairro de Prazeres, onde havia entregado um documento, ela pegou um metrô para ir ao Terminal Integrado de Passageiros (TIP) e, de lá, sozinha, pegou um ônibus para João Pessoa (PB), cidade que havia ido outras vezes com a família. Ela se hospedou em uma pousada com o documento que havia encontrado no Centro do Recife no ano passado. O RG tinha a foto dela e os dados de uma outra pessoa, o que consitui crime de falsificação ideológica.

Na noite desta quarta-feira (3), estudantes de Direito da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) realizaram um ato em apoio à Vaniela Oliveira, na Faculdade de Direito do Recife, no bairro da Boa Vista, área central do Recife. Ouça a reportagem de Karoline Albuquerque:

No sábado, com saudades da avó, a aministradora e estudante de Direito resolveu refazer o caminho e voltar para casa. Ao chegar na BR-101, porém, não teve coragem de contar a verdade aos parentes. De acordo com a delegada Gleide Ângelo, a intenção de Vaniela era não voltar para casa.

Ouça a entrevista completa com a delegada Gleide Ângelo:

Mais Lidas