ATENÇÃO ESPECIALIZADA

Secretaria de Saúde lança a Política Estadual de Saúde Integral LGBT

Objetivo é realizar ações que contemplem as especificidades dessa população

Com informações da assessoria
Com informações da assessoria
Publicado em 04/06/2015 às 6:50
Leitura:

O secretário estadual de Saúde, Iran Costa, lança, nesta quinta-feira (04/05), às 8h30, na sede da Secretaria Estadual de Saúde (SES), a Política Estadual de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. O objetivo é garantir o atendimento integral dessa população nos serviços de saúde, promovendo inclusão e pleno exercício da cidadania e combatendo o preconceito. Também será incentivada a capacitação dos níveis de atenção e produção de conhecimentos com foco nesse público.

“Pernambuco é o primeiro Estado do Nordeste a implantar uma política de atenção à saúde integral LGBT, confirmando sua vanguarda na luta pela afirmação dos direitos humanos. Por meio da política, queremos auxiliar na construção de uma sociedade e de um sistema de saúde pública livre do preconceito e da discriminação. Vamos incluir a temática LGBT dentro dos processos de educação permanente e desenvolver ações que contemplem as especificidades dessa população”, afirma o secretário Iran Costa.

Entre as ações da Política, está o trabalho para aliviar o sofrimento, dor e adoecimento relacionados aos aspectos de inadequação identitária, corporal e psíquica, nas travestis e pessoas transexuais, além de garantir a atenção necessária durante todo o processo de readequação sexual.

“O cartão do SUS já garante o uso do nome social das travestis e transexuais femininas e masculinos, que também deve ser respeitado durante todo e qualquer atendimento. Vamos reforçar com os serviços esse ato de respeito à identidade de gênero desse público”, afirma a diretora de Políticas Estratégicas da SES, Flávia Magno. Ela ainda lembra que o público LGBT “deve ser atendido como qualquer pessoa, respeitando sua identidade de gênero e sua orientação sexual. Isso é essencial para que eles sintam-se bem em ir ao serviço e voltem, se necessário, o que é de suma importância para trabalhar a prevenção e a promoção à saúde”.

Além disso, será reforçada a humanização do acolhimento para lidar com as especificidades de cada grupo.

Mais Lidas