SAÚDE

São Lourenço da Mata recebe mutirão para diagnóstico da hanseníase

Ação será nesta sexta-feira (5), na praça Senador Carlos Wilson, no centro da cidade.

Com informações da assessoria
Com informações da assessoria
Publicado em 05/06/2015 às 7:16
Leitura:

Com 2.536 novos casos de hanseníase diagnosticados em 2014, sendo 261 deles em crianças menores de 15 anos, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) promove, nesta sexta-feira (5), uma ação educativa e de busca de casos novos no município de São Lourenço da Mata, na Região Metropolitana do Recife. A ação, que ocorre das 8h30 às 13h, na praça Senador Carlos Wilson, no Centro, é para lembrar o Dia Estadual de Luta contra a Hanseníase, celebrado no dia 6 de junho. Os exames serão realizados no ônibus Prevenção para Todos, da SES, que conta com três consultórios e laboratório, proporcionando à população atendimento gratuito para o diagnóstico da doença.

Em casos positivos, os pacientes serão encaminhados para unidades básicas de saúde do município para início do tratamento. Para chamar a atenção sobre o tema, serão promovidas também atividades de educação em saúde. Participam da ação médicos dermatologistas - que realizarão consultas, exames clínicos e dermatoneurológicos - enfermeiros, equipe da coordenação estadual e municipal de hanseníase, entre outros profissionais.

Quanto à hanseníase, o Estado detém 8% dos casos novos do Brasil, na população geral, e 12% dos casos em menores de 15 anos. No ano de 2011, Pernambuco registrou 2.649 casos novos na detecção geral, sendo 286 casos em menores de 15 anos. Do total, 81% se curaram. Em 2012, houve uma discreta redução no número de casos, atingindo 2.561 casos novos na detecção geral e 263 casos em menores de 15 anos, com 82,3% de cura. Já em 2013, o número de casos voltou a subir: foram 2.604 casos novos, mas ainda menor que em 2011. Nos menores de 15 anos, foram 285 casos novos. A cura atingida em 2013 foi de 81,2%.

"São Lourenço da Mata é um dos municípios endêmicos da RMR. Estamos priorizando nessas ações de mutirão justamente os município de risco muito alto", afirma a coordenadora do Programa de Controle da Hanseníase, Raissa Alencar. Para a coordenadora, esse é um momento de sensibilização para informar as pessoas sobre a doença e ampliar o tratamento dos usuários.

A doença - A hanseníase é uma doença infecciosa transmitida pela pessoa doente para uma sadia pelo contínuo contato. Ela é transmitida pelo bacilo M. leprae, bactéria que ataca o sistema nervoso periférico e provoca alterações de sensibilidade ao frio/calor, ao tato e à dor. A doença também pode evoluir para perda de força muscular das mãos, pés e olhos.

O tratamento é gratuito, padronizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde (MS), e baseia-se na poliquimioterapia, constituída pelos medicamentos: rifampicina, dapsona e clofazimina. É realizada nos postos de saúde, necessitando que o paciente compareça à unidade uma vez por mês para tomar a medicação (dose supervisionada). O restante dos remédios o paciente toma em casa. Apenas os casos mais graves e com complicações deverão ser atendidos em unidades de referência. O Hospital Otávio de Freitas (HOF), no bairro de Tejipió, Zona Oeste do Recife, e o Hospital Geral da Mirueira, em Paulista, são referências secundárias estaduais no atendimento aos pacientes de hanseníase em Pernambuco. O Imip é a referência terciária. Se não tratada precocemente, a doença pode causar incapacidades ou deformidades no corpo.

Mais Lidas