VIOLÊNCIA

Policial Militar que atirou em cantor de brega no Recife está preso

Músico não corre risco de morte. PM será indiciado por tentativa de homicídio

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 07/06/2015 às 18:49
Leitura:
Cantor Lipe Play não corre risco de morte. Bala está alojada na cabeça. Foto: Reprodução / Facebook


O estado de saúde do cantor de brega Filipe Webster, de 24 anos, é estável. Ele foi vítima de um disparo feito por um policial militar na noite deste sábado (6), em Jardim Planalto, na Zona Oeste do Recife. O PM, identificado apenas como Josenildo, está preso no Centro de Reeducação da Polícia Militar (Creed).

Familiares informaram que o músico, conhecido como Lipe Play, estava acompanhado de amigos na quadra de um residencial quando o policial começou a atirar de forma descontrolada. O tiro atingiu a nuca do cantor, que não corre risco de morte. O jovem foi levado para o Hospital Otávio de Freitas, em Tejipió, também na Zona Oeste da cidade, e, em seguida, transferido para o Hospital da Restauração, no centro do Recife.

O pai do cantor, Gutemilson Lopes, disse à reportagem do Jornal do Commercio que o PM tinha esse costume de atirar para o alto ou em excesso sem motivo no bairro. De acordo com ele, o policial tinha a intenção de matar o filho dele e os colegas:

No momento da prisão, Josenildo teria oferecido resistência. O comando da Polícia Militar informou, por meio de nota, que vai abrir sindicância para investigar o motivo da ação do oficial.

Confira a nota na íntegra:

"Em resposta ao episódio em que um cabo da PM atirou contra um homem, Felipe Nobre, 24, no bairro do Sancho, em Recife, o Comando da PM já determinou a abertura de sindicância, através do Batalhão de Guarda da Corporação (BPGd), onde o policial é lotado, para esclarecer as causas que levaram o militar a efetuar o disparo que atingiu a cabeça da vítima, que foi socorrida com vida para o Hospital Otávio de Freitas, na mesma região.

O cabo foi conduzido por policiais militares do 12 BPM para à Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), onde foi autuado em flagrante e encaminhado para o presídio da PM (CREED).

O comando da Corporação reforça, ainda, que a Instituição tem interesse pleno em esclarecer as circunstâncias da ocorrência e repudia toda e qualquer forma de ação dos seus integrantes, que possam, no exercício ou não da atividade policial militar, atentar contra a vida de qualquer cidadão."

Mais Lidas