Internacional

Primeiro julgamento no Vaticano por abusos sexuais será em 11 de julho

Dois bispos americanos já deixaram a Igreja por encobrirem crimes semelhantes.

Da Agência Brasil
Da Agência Brasil
Publicado em 16/06/2015 às 5:29
Leitura:

O Vaticano anunciou nessa segunda-feira (15) que o primeiro julgamento de um representante da Igreja Católica acusado de abuso sexual de menor será em 11 de julho. Dois bispos americanos deixaram a Igreja por encobrirem crimes semelhantes.

Jozef Wesolowski, ex-núncio (embaixador) na República Dominicana, é acusado de abuso sexual de menores enquanto desempenhava suas funções, entre 2008 e 2013. Ele foi flagrado com material de pornografia infantil quando já se encontrava em Roma, em 2013 e 2014. O ex-arcebispo, 66 anos, foi discretamente afastado da nunciatura, na República Dominicana em 2012, após a cúpula da Igreja Católica ter sido informada de que ele pagava regularmente a rapazes por serviços sexuais.

Em junho de 2014, Wesolowski foi afastado da igreja, mas permaneceu em liberdade até setembro de 2014, quando foi colocado sob prisão domiciliar. Se for considerado culpado, Wesolowski pode ser condenado a uma pena de seis a dez anos de prisão.

Em comunicado, o Vaticano afirma que “as graves alegações” contra Wesolowski vão ser escrutinadas e, “se necessário”, haverá recurso à “cooperação legal internacional para a avaliação da prova testemunhal” obtida na República Dominicana. As autoridades dominicanas, com as quais o Vaticano afirmou cooperar estreitamente, identificaram pelo menos quatro rapazes vítimas de abuso pelo representante papal.

O papa Francisco aceitou a demissão de dois bispos americanos, o arcebispo de Saint Paul e Minneapolis, John Clayton Nienstedt, e o adjunto Lee Anthony Piche, acusados de encobrirem casos de abuso sexual de menores praticados por um padre. O Vaticano não explicita a razão das demissões, mas Nienstedt e Piche foram identificados por associações de vítimas como os responsáveis hierárquicos que ocultaram os abusos sexuais cometidos pelo padre Curtis Wehmeyer.

Mais Lidas