O FOLE RONCOU

Mesmo em crise financeira, Limoeiro investe no São João como forma de gerar emprego e renda

A cidade do Agreste que tem pouco mais de 56 mil habitantes já é famosa por trazer atrações nacionais para a festa junina

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 22/06/2015 às 6:55
Leitura:
Em 2014, a dupla Jorge e Matheus alegrou os fãs em Limoeiro, mas também revoltou quem critica os gastos com a festa. Em 2013, a baiana Ivete Sangalo animou os festejos. Foto: arquivo/site meta bronca


Conhecido como berço do Capibaribe, Limoeiro é um município do Agreste Pernambucano distante 77 quilômetros do Recife. A cidade foi fundada por um padre que veio de Portugal para catequisar um grupo indígena.

Durante o São João, a cidade se divide entre grandes shows e eventos em polos descentralizados nos pequenos bairros. A corrida da fogueira é mais uma das atrações anuais do período junino.

Porém a situação de Limoeiro contrasta com a da Região. Por causa da crise financeira e do agravamento da seca, as prefeituras de cidades vizinhas, como Buenos Aires e Lagoa do Itaenga, reduziram os gastos com decoração e a quantidade de dias da festa.

Para garantir a tradição e confiante no retorno econômico, Limoeiro procurou na iniciativa privada uma parceria de sucesso. Quem conta essa história é o repórter da Rádio Jornal Limoeiro, Alfredo Neto:

Em 2015, o investimento na festa subiu 40%, chegando a um R$ 1,7 milhão. Deste total, a prefeitura vai arcar com 30%, enquanto os patrocinadores bancarão a maior parte. A festa acontece entre os dias 24 e 29 de junho e vai reunir 18 atrações no Parque de Exposição de Animais, além de polos nos pequenos bairros e na zona rural. Entre os nomes confirmados estão Aviões do Forró, Wesley Safadão, Banda Eva e Gabriel Diniz.

Vivendo um momento de crise econômica e hídrica, a gestão foi criticada por investir em atrações nacionais. De acordo com a Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), o Agreste é quem mais sofre com os efeitos da estiagem. Para o presidente do órgão, José Patriota, a seca contribuiu ainda mais para o desaquecimento econômico da região.

Porém, de acordo com o secretário de Turismo de Limoeiro, André Quirino, o São João é uma oportunidade para sair da crise. Os setores de gastronomia e hotelaria esperam repetir o sucesso dos dois últimos anos, quando atingiram 100% da capacidade.

Após um primeiro semestre difícil, os comerciantes esperam a retomada das vendas com a chegada do período junino. A presidente da Associação Comercial e Industrial de Limoeiro, Patrícia Holanda, acredita em um aumento de até 35% em relação aos meses anteriores.

Para valorizar as tradições, artistas locais vão ganhar espaço no polo regional da Praça da Bandeira. O local é uma homenagem ao radialista da Rádio Jornal Limoeiro, Carlos Alfeu, que faleceu em novembro do ano passado, vítima de problemas cardíacos.

Na programação, estão previstas apresentações de quadrilha matuta, coco de roda, ciranda e o tradicional forro pé de serra. O coquista Zé de Teté está orgulhoso com a oportunidade, mas cobra valorização para cultura local.

Nesta terça-feira (23), na quinta reportagem da série “O fole rocou: o São João na crise de ponta a ponta do estado”, você acompanha as tradições grandiosas de Caruaru, a cidade do Agreste conhecida como a “Capital do Forró”. A série tem produção de Luiza Falcão, Natália Hermosa e Rafael Souza, coordenação de Carlos Morais e trabalhos técnicos de Evandro Chaves.

Mais Lidas