PARALISAÇÃO

Motoristas do transporte complementar só voltam a trabalhar quando receberem pagamento

A categoria paralisou as atividades nesta quinta-feira (25). O Grande Recife Consórcio de Transporte informou que deve resolver a pendência nesta quinta

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 25/06/2015 às 14:31
Leitura:
Foto: Rodrigo Lôbo / acervo JC Imagem


Não há previsão para o retorno dos serviços do transporte complementar, que leva os moradores de áreas de difícil acesso a paradas de ônibus do Grande Recife. A categoria paralisou as atividades nesta quinta-feira (25) devido à falta do recebimento de recursos do Governo do Estado. Os veículos pararam por recomendação do Sindicato dos Permissionários do Transporte Complementar de Pernambuco e, além disso, a categoria também fez um ato na sede do sindicato, na Avenida Afonso Olindense, no bairro da Várzea, em forma de protesto.

O presidente do sindicato, Manoel Dias, explica que a paralisação é em forma de reivindicação pelos atrasos salariais:

O serviço de transporte complementar gratuito atende cerca de 70 mil pessoas diariamente no Grande Recife. Os veículos passam por localidades em que os ônibus convencionais não conseguem chegar, como morros e ruas estreitas.

A maior parte dos passageiros é dos morros de Casa Amarela, na Zona Norte da capital pernambucana. O serviço também atende locais como o Totó, Alto Bela Vista, Sítio dos Macacos, Jordão Baixo, Jordão Alto, Alto Maracanã e UR-7. De acordo com o sindicato, 230 pessoas trabalham no sistema de transporte complementar, que conta com 58 ônibus.

Por meio de nota, o Grande Recife Consórcio de Transporte informou que a previsão é que a pendência financeira seja resolvida até o final desta quinta-feira.

Mais Lidas