INVESTIGAÇÕES

Polícia Federal entra no caso da venda de dólares falsos em agência do Banco do Brasil

Um dos clientes lesados com a compra de dólares falsos é um agropecuarista de Bonito, no Agreste. Ele diz que vai processar o banco por danos morais.

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 30/06/2015 às 6:13
Leitura:

Pelo menos seis clientes do Banco do Brasil já foram identificados com dólares falsos após realizar operações de câmbio na Agência da Avenida Rio Branco, no bairro do Recife, área central da cidade. Além desses, outras 13 operações estão sendo investigadas. Saiba mais na reportagem de Karoline Albuquerque:

Nessa segunda-feira, uma das vítimas foi até a sede da Polícia Federal prestar depoimento. O agropecuarista da cidade de Bonito, no Agreste Pernambucano, José Maria Rangel Júnior adquiriu as notas no dia 12 de junho. Na última sexta-feira (29), o gerente do banco onde ele tem conta, em Camocim de São Félix, entrou em contato com o cliente informando que as cédulas poderiam ser falsas.

José Maria soube que a estudante Amanda Parris havia sido a primeira pessoa identificada com os dólares falsos após o câmbio, e comparou as notas, que ele achava que eram falsas. Logo depois, ele foi à sede da Polícia Federal junto ao advogado, Almir Queiroz dos Santos. De acordo com ele, o procedimento agora é tentar reverter o prejuízo.

A Polícia Federal orienta que pessoas que tenham comprado dólares na Agência Rio Branco do Banco do Brasil devem reunir os documentos que comprovem a transação. O chefe de Comunicação do órgão, Giovani Santoro, afirma que apenas o inquérito poderá indicar a origem das notas e o porquê de elas estarem no banco.

Em nota, o banco do brasil disse que adotou medidas de segurança e entrou em contato com as pessoas que fizeram operações de câmbio utilizando cédulas do lote envolvido. O banco também disse que o lote de dólares falsos foi identificado e isolado.

Mais Lidas