PROTESTO

Policiais civis de Pernambuco prometem novas paralisações a cada 15 dias

A decisão foi tomada por cerca de cem policiais durante ato realizado em frente ao Instituto de Medicina Legal, em Santo Amaro, na área central do Recife

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 08/07/2015 às 14:40
Leitura:
Foto: Lélia Perlim / Rádio Jornal


Os policiais civis de Pernambuco decidiram em assembleia realizar novas mobilizações a cada 15 dias, algumas delas em eventos como o Festival de Inverno de Garanhuns. A decisão foi tomada por cerca de cem policiais durante ato realizado em frente ao Instituto de Medicina Legal, em Santo Amaro, na área central do Recife. A categoria, que está em greve de advertência até a meia-noite desta quarta (8), reivindica gratificação de 225% relativa ao risco de vida, revisão do plano de cargos e carreiras, além de reajuste da hora-extra. O presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol), Áureo Cisneiros faz um resumo das decisões:



Foto: Lélia Perlim / Rádio Jornal


Com os novos protestos, os policiais pretendem chamar a atenção da sociedade para essas exigências e para as condições de trabalho enfrentadas nos mais diversos órgãos, com destaque para os IMLs. A reportagem da Rádio Jornal teve acesso à sala onde os corpos são periciados e constatou forte mau cheiro, infiltrações no teto, além de falta de instrumentos cirúrgicos adequados para as necrópsias: serrotes e facas artesanais são utilizadas de maneira improvisada pelos servidores que não tem máscara adequada para esse tipo de trabalho. Mesmo com todos os problemas, a justiça determinou que a categoria deveria se manter no trabalho, e impôs multa diária de R$ 30 mil por descumprimento da ordem. Os policiais vão recorrer da decisão.

Do início da paralisação até o fim da manhã desta quarta, sete corpos tinham dado entrada no IML do Recife, com previsão de liberação apenas a partir da quinta.

Mais Lidas