ENTREVISTA

Por falta de verba, tratamento de pacientes com câncer está paralisado no Hospital Oswaldo Cruz

De acordo com o gestor do hospital, as seções de quimioterapia foram suspensas no final de junho e só voltam a acontecer quando a medicação chegar

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 10/07/2015 às 11:37
Leitura:
Foto: acervo JC Imagem


Médicos do centro de oncologia do Hospital Universitário Oswaldo Cruz estão preocupados com o futuro do setor. O motivo é a falta de medicamentos para cerca de 1.200 pacientes entre crianças e adultos com câncer. O tratamento está suspenso e só volta quando o estoque de remédios for reabastecido.

Para falar sobre o assunto, Geraldo Freire conversou com o gestor Executivo do Oswaldo Cruz, Bento Bezerra, nesta sexta-feira (10). De acordo com o gestor, a quimioterapia é feita nos ambulatórios e não requer, necessariamente, a internação. Para Bento Bezerra, a falta de medicamento não vai comprometer o tratamento, pois os pacientes serão reintegrados à medicação assim que possível. "Até o mês de junho, o tratamento funcionou com regularidade", completou. Ouça a entrevista completa:

De acordo com o gestor do HUOC, o Oswaldo Cruz é o único hospital universitário do Estado que funciona apenas com a receita regular do SUS, além daquilo do que é produzido dentro do hospital. Segundo Bento Bezerra, há pelo menos oito anos que o hospital enfrenta dificuldades e precisa de repasses do Governo do Estado. Ainda de acordo com o gestor, esse aporte é tratado de uma forma técnica com o Governo do Estado, onde um colegiado precisa analisar os pedidos de maneira antecipada. Como houve um problema para organizar esse orçamento, o hospital ficou sem dinheiro.

O Hosvaldo Cruz entrou em contato com a Secretaria de Saúde do Estado para que eles possam assumir parte dos pacientes. A expectativa é que a medicação comece a chegar em 10 dias.

Mais Lidas