Eduardo da Fonte e Fernando Bezerra são investigados em nova fase da Operação Lava Jato

O deputado Federal e o senador tiveram seus apartamentos funcionais e escritórios revistados. No Recife, 8 mandados estão sendo cumpridos. Nesta fase, não estão previstas prisões

POLíTICA

Da Rádio Jornal. Atualizada às 10h19

Nesta fase, por enquanto, não estão sendo realizadas prisões. Foto: arquivo/Agência Brasil


A Polícia Federal realiza o cumprimento de mandados de busca e apreensão dentro da Operação Lava Jato aqui no Recife na manhã desta terça-feira (14). São 53 mandados em todo o país, sendo oito aqui em Pernambuco. Os mandados são referentes a seis processos instaurados no Supremo Tribunal Federal (STF) a partir de provas obtidas na Operação Lava Jato e estão sendo cumpridos em seis unidades da Federação: Bahia, Pernambuco, Alagoas, Santa Catarina, Rio de Janeiro, São Paulo e no Distrito Federal.

De acordo com informações iniciais, o senador Fernando Bezerra Coelho (PSB) e o deputado Federal Eduardo da Fonte (PP) estariam entre os investigados. Procurada pela produção da Rádio Jornal, a assessoria de comunicação de Eduardo da Fonte afirmou que ainda não teve contato com o deputado, por isso, não confirma nem nega a informação. Porém, o repórter da Rádio Jornal em Brasília, Romualdo de Souza, confirmou a estada dos policiais nos apartamentos dos pernambucanos. A PF também fez vistoria na Câmara e no Senado.

Em nota expedida pelo escritório de advocacia, o senador Fernando Bezerra Coelho afirmou que foi pego de surpresa com a ação, já que havia colocado os sigilos ficais e telefônicos à disposição das investigações. FBC afirma ainda que está desponível para prestar esclarecimentos. Ouça as informações na voz de Romualdo de Souza:

A nova fase da Operação Lava Jato, que se chama Politeia , investiga pessoas com foro privilegiado, aquelas que precisam de autorização do Supremo Tribunal Federal para realizar as buscas. A PF também cumpre mandados em Alagoas, inclusive na casa do senador Fernando Collor e do filho dele, o Arnon de Mello. 

Procurado pela produção da Rádio Jornal, o chefe de comunicação da Polícia Federal em Pernambuco informou que todas as informações, inclusive sobre as operações no Recife, serão repassadas pela sede, que fica em Brasília.

A Rádio Jornal conversou com o repórter da TV Gazeta de Alagoas, Wadson Correia, onde a Polícia Federal realiza buscas dentro da Fundação Arnon de Mello, onde funciona a emissora, que é afiliada à TV Globo. A equipe da TV Gazeda afirmou à nossa equipe que a PF está no prédio e que eles estão colaborando com as investigações. Ouça:

Por enquanto, não existe mandado de prisão. Os mandados foram expedidos pelos ministros do Supremo Teori Zawascki, Celso de Mello e Ricardo Lewandowski. De acordo com a Polícia Federal, as buscas ocorrem nas casas dos investigados, em endereços funcionais, sedes de empresas, em escritórios de advocacia e órgãos públicos. O objetivo é evitar que provas importantes sejam destruídas. A lista de investigados não foi divulgadas, mas, os suspeitos respondem a crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, evasão de divisas, fraude a licitação, organização criminosa, entre outros.

O nome da operação, Politeia, vem do livro "A República", de Platão, que faz referência a uma cidade perfeita, onde a ética prevalece sobre a corrupção. 

TAGS

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

CONTINUE LENDO