GREVE

Poucos ônibus circulam nos principais corredores viários e passageiros temem a volta para casa

Rodoviários pedem aumento de 12% nos salários. Patrões ofereceram 9,5%, TRT determinou que 70% dos ônibus deveriam circular durante greve

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 14/07/2015 às 15:00
Leitura:
Foto: Rafael Carneiro / Rádio Jornal


O primeiro dia do movimento que pede 12% de aumento salarial para cobradores, motoristas e fiscais, além de 68% de reajuste no tícket-alimentação, começou com um número reduzido de veículos nas ruas, paradas cheias e demora nos horários. 55% da frota de ônibus estava nas ruas no início da manhã, de acordo com o Grande Recife Consórcio de Transporte.


Foto: Ísis Lima / Rádio Jornal


No início da tarde, em um dos principais corredores, a Avenida Guararapes, é pequena a movimentação de ônibus e pedestres. A professora Bianca Marinho aguardava ônibus em uma das paradas. Ela conta que durante a manhã, o coletivo que ela pegou não fez o percurso completo:


Foto: Lorena Barros / Rádio Jornal


A suspensão das aulas na universidades Federal e Federal Rural de Pernambuco contribuiu na diminuição do movimento de passageiros. Em Joana Bezerra, os passageiros chegavam em grande quantidade por ônibus e pelo metrô. A preocupação maior era com a volta para casa.

No Terminal Integrado de Xambá, em Olinda, poucas pessoas conseguiram chegar de bairros próximos, via ônibus e o jeito foi ir a pé. Por volta das 9h, foi registrada uma tentativa de interdição na Avenida Cruz Cabugá, na área central do Recife. Um ônibus da empresa Rodotur foi parado e teve os pneus danificados por rodoviários. Em seguida, o grupo foi à Praça do Derby e promoveu um protesto bloqueando a Agamenon Magalhães.

O Sindicato dos Rodoviários e das empresas de ônibus já sentaram para negociar cinco vezes e não houve entendimento sobre a pauta de negociação.

Mais Lidas