VITÓRIA

Rodoviários da RMR voltam ao trabalho após justiça determinar reajuste de 12% nos salários

Foi definido um aumento de 59,57% no tíquete alimentação. A Urbana-PE afirmou que ainda não decidiu se vai recorrer

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 16/07/2015 às 7:43
Leitura:
Foto: Rafael Carneiro / Rádio Jornal

Após dois dias de greve, os rodoviários da Região Metropolitana do Recife voltaram a trabalhar normalmente na madrugada desta quinta-feira (16) após dois dias de greve. Na noite da quarta, o Tribunal Regional do Trabalho declarou a greve da categoria como legal e julgou o dissídio dos rodoviários, definindo reajuste salarial de 12% nos salários e aumento de 59,57% no tíquete alimentação.

Confira matéria completa na voz de Houldine Nascimento, para a Rádio Jornal:

Com essa medida, o salário dos motoristas passa de R$ 1.765 R$ 1.976; o salário dos cobradores passa de R$ 812 para R$ 909 e o salário dos fiscais passa de R$ 1.141 para R$ 1.277. O Presidente do Sindicato dos Rodoviários, Benilson Custódio, se mostrou satisfeito com a conquista da categoria, que não vai pagar multas nesta paralisação por ter a greve considerada como legal pelo TRT: "Era o que a categoria almejava (...) está encerrada a greve", disse.

Na manhã desta quinta-feira (16), a repórter Lélia Perlim fez um giro pelas ruas do Recife para ver como está a circulação de ônibus. Apesar de feriado, passageiros conseguem se locomover aos seus destinos com bastante tranquilidade. Ouça o flash:

Já o presidente do sindicato dos donos de empresas de ônibus (Urbana-PE), Fernando Bandeira, discordou do aumento no vale refeição, mas afirmou que o sindicato vai examinar o acordo para ter um parecer: "Eu acho que no caso da negociação houve uma intransigência da classe trabalhadora, não da classe patronal", afirmou. Nesta quinta-feira (16), Fernando Bandeira conversou com a bancada da Rádio Jornal sobre a possibilidade de recorrer da decisão judicial:

GREVE - A greve dos rodoviários foi iniciada na terça-feira (14) após cinco rodadas de negociação sem resultados entre a categoria dos rodoviários e os donos de empresa de ônibus. De acordo com a categoria e a Urbana-PE, cerca de 50% da frota saiu às ruas durante os dias de greve.

Mais Lidas