ENTREVISTA

Em entrevista, Jarbas diz estar "horrorizado" com as denúncias a Eduardo Cunha

Nesta sexta, deputado pernambucano concedeu entrevista ao comunicador Geraldo Freire e falou sobre a Operação Lava Jato e recesso dos parlamentares

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 17/07/2015 às 14:00
Leitura:
Foto: Bernardo Soares | JC Imagem (Arquivo)


Nesta sexta-feira (17) na Super Manhã da Rádio Jornal, o comunicador Geraldo Freire conversou com o deputado federal e ex-governador do estado de Pernambuco, Jarbas Vasconcelos.

Geraldo Freire falou sobre comentários recentes e anúncios da imprensa de que Jarbas Vasconcelos estaria reunindo parlamentares para tentar não permitir que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, se pronunciasse em rede nacional nesta sexta (17).

O deputado comentou sobre a relação com o presidente da Câmara e mencionou que votou em Eduardo Cunha para evitar o voto no PT. Jarbas Vasconcelos falou sobre o envolvimento de Cunha na Operação Lava Jato. “Eu fiquei horrorizado. Ele está sendo acusado de ter recebido 5 milhões de dólares. É preciso esclarecer tudo isso.”, disse.Ele falou sobre a decisão de rompimento de Eduardo Cunha com o governo. “Essa coisa de bater em Dilma, ele pode bater contra o país. A presidente agora tem menos de 10% [de aprovação], é muito fácil agora bater nela”, afirmou. Jarbas afirmou que vai acompanhar as investigações e ficar atento a tudo isso.

Segundo Jarbas, Cunha quer romper com o governo na hora em que Dilma está numa fase ruim. “Como é que um presidente da Câmara diz que vai explodir o governo? É um momento de oportunismo puro o que ele vai fazer hoje através de rede nacional”, comenta. Ele acredita que a Operação Lava Jato pode acabar com os problemas da corrupção. “A Lava Jato já colocou na cadeia vários empresários e vai “pegar” os políticos. A Lava Jato foi a melhor coisa que aconteceu em toda minha vida política.”, afirma o deputado.

Sobre as acusações ao Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, ele opina que o trabalho do Procurador é bom e que ele está levando os processos à frente. “Tem duas pessoas importantes no comando do poder no Brasil, que é Congresso Nacional. Tanto Renan Calheiros quanto Eduardo Cunha estão envolvidos na Lava Jato e tem que ser investigados”, conclui.

Diante do recesso que vai iniciar a partir deste sábado (18), Jarbas compreende que deve acontecer, mesmo com algumas reclamações sobre a pausa num período crítico. “A gente retorna no dia 3 de Agosto do recesso. O que poderia acontecer de grave neste período seria uma renúncia de Dilma Roussef, e ela não tem formação para renúncia.”, aponta.

Com relação ao ex-presidente Lula, o deputado federal acredita que todos devem ser investigados, e afirmou que Lula está prestando todas as informações e encarando com naturalidade.

No final da entrevista, Jarbas Vasconcelos falou que não vai discutir sucessão municipal no momento. “Eu me sinto até acanhado pra fazer isso, o país pegando fogo e eu discutir uma eleição que vai ocorrer em 2016”, afirmou.

Ouça a entevista na íntegra:



LEIA MAIS
Delator da Operação Lava Jato acusa Eduardo Cunha de tentar extorquir U$ 5 milhões

Mais Lidas