DEBATE

No debate desta sexta, especialistas falam do mal da falta de sonhos

Os convidados de Geraldo Freire discutiram se ausência de sonhos durante a noite pode ser mais grave para a mente e para o corpo do que a privação do sono

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 17/07/2015 às 15:15
Leitura:
Foto: Reprodução internet


Na Supermanhã, Geraldo Freire recebeu o neurologista Paulo Brainer e o psicólogo Sílvio Ferreira para falar sobre a importância dos sonhos.

O neurologista Paulo Brainer chamou a atenção de todos para um dos problemas mais frequentes nos tempos atuais, que é o desperdício do tempo de dormir. O médico explicou que quando se dorme mal, o ciclo normal do sono - onde pertence o sonho - aconteça na forma mais natural, sendo absolutamente necessário. A falta de uma boa noite de sono pode causar prejuízos no futuro com relação à qualidade de vida do ser humano. “Dormir não é voluntário, é necessário”, afirmou. Dr. Brainer falou também sobre os mecanismos cerebrais “existem vários mecanismos cerebrais que obrigam a pessoa dormir. Se a pessoa foge dessa obrigação ela paga um pedágio muito alto”, comentou.

Segundo o neurologista, existem estudos com privação de sono, mostrando que quem não dorme direito não vive direito. “O pensamento que a pessoa tem organizado durante o dia depende e muito dessa noite dormida. O cérebro é uma orquestra que faz arranjos de tudo que acontece durante o dia. Esses arranjos são ensaiados a noite. Se não acontecer o ensaio, qual a orquestra que vai desempenhar bem a função?”, ponderou.

Já o psicólogo Silvio Ferreira mencionou que o sonho é mais importante que o sono. “Sonhar é mais importante do que dormir. Freud já dizia isso no século XVIII, no livro “A interpretação dos sonhos”. Freud diz na obra que o sonho é o guardião do sono, que nós sonhamos para dormir e que sem o sonho, não haveria o sono. Precisamos sonhar porque essa máquina psíquica é submetida a ordens de exigências que vão contrárias basicamente aos nossos instintos. O sonho que é um grande disfarce, para que a gente satisfaça os impulsos mais básicos da nossa vida psíquica, que as civilizações negam ou renegam, que são a sexualidade e agressividade. Para Freud, todo sonho era manifestação disfarçada de um desejo sexual ou agressivo, reprimidos no inconsciente”, disse.

Foto: Reprodução internet



Dr. Paulo Brainer falou que acredita que existe uma necessidade de entender os aspectos do sono. “Do ponto de vista neurológico, o sonho é extremamente importante para que o sono funcione”, afirmou o médico.

Para saber mais sobre o assunto, confira o debate na íntegra:

Mais Lidas