DESCONSOLO

Familiares e amigos se reúnem em missa que marca os primeiros 30 dias da morte de Maria Alice Seabra

A jovem de 19 anos foi sequestrada, estuprada e morta pelo padrasto. Gildo da Silva Xavier permanece isolado na carceragem do Cotel

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 20/07/2015 às 7:51
Leitura:
Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem


A capela de Santo Antônio, que fica na Vila Tamandaré no Bairro da Estância, foi o local da celebração religiosa neste final de semana. A igreja era a escolhida por Maria Alice Seabra Amorim, de 19 anos, para participar das missas e dos encontros de grupos de jovens da comunidade.

Familiares e amigos se reuniram para mais uma homenagem a vítima de um crime brutal que chocou a sociedade. O padre Everton de Castro, da Capela de Santo Antônio, afirma que há uma simbologia na missa de trigésimo dia:

Maria Alice foi estuprada e estrangulada pelo padrasto Gildo da Silva Xavier, de 34 anos. O corpo dela foi encontrado num canavial em Itapissuma cinco dias depois do desaparecimento e após várias diligências com o acusado.

Gildo da Silva Xavier permanece isolado na carceragem do Centro de Triagem Cotel, em Abreu e Lima, à disposição da justiça.

Mais Lidas