CORRUPÇÃO

Cunha diz que não vai renunciar mesmo com denúncia no STF sobre a Lava Jato

Presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, é acusado de ter pedido propina no valor de 5 milhões de dólares

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 20/08/2015 às 10:03
Leitura:
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

A expectativa em Brasília é de que, nesta quinta-feira (20), o procurador geral da República, Rodrigo Janot, apresente ao Supremo Tribunal Federal (STF) denúncias contra o presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, do PMDB, e contra o senador e ex-presidente da República, Fernando Collor de Melo, do PTB de Alagoas. Os dois são suspeitos de envolvimento no esquema de corrupção investigado na Operação Lava Jato.

Eduardo Cunha foi acusado pelo lobista Júlio Camargo de ter pedido propina no valor de 5 milhões de dólares para facilitar a contratação de navio sonda pela Petrobras.

O deputado Eduardo Cunha disse que está tranquilo e que não pretende se afastar da presidência da Câmara. “Absolutamente tranquilo. Eu acho que tem que se respeitar os poderes. Eu vou me ater aos fatos. Eu não tenho preocupação nenhuma”, disse.

Confira os detalhes na reportagem de Romoaldo de Souza:

Contra o senador Fernando Collor pesa a denúncia de que teria recebido R$ 26 milhões também em propina para favorecer empresas que tinham firmado contrato com a BR Distribuidora, empresa da Petrobras que atua na área de combustíveis.

Ontem, o senador Fernando Collor apresentou na Comissão de Constituição e Justiça do Senado ofício pedindo para que seja arquivada a indicação do procurador da República Rodrigo Janot, para ser sabatinado na CCJ.

Na Câmara, o líder do PSOL, o deputado Chico Alencar, disse que não confia no Conselho de Ética e que só espera a abertura de investigação no STF contra Eduardo Cunha para pedir afastamento do cargo.

Mais Lidas