INSEGURANÇA

CBTU vai adotar medidas e contratação de agentes para inibir ações de violência no metrô

Presidente da CBTU, Fernando Barini, citou importância de contar com poder público para reforço da segurança nos locais

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 27/08/2015 às 17:43
Leitura:
Apenas neste ano, 101 assaltos foram registrados nas linhas do metrô Recife
Foto: Diego Nigro | JC Imagem


O presidente da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), Fernando Barini, participou por telefone nesta quinta-feira (27), do programa Balanço das Notícias, com Ednaldo Santos.

De acordo com a CBTU, 101 assaltos foram registrados nas linhas que fazem o metrô do Recife, nos oito primeiros dias do ano. O último assalto foi registrado nesta quinta-feira (27), na linha Cajueiro Seco, entre as estações Joana Bezerra e Largo da Paz, no Recife. Três homens entraram no vagão, anunciaram o assalto e levaram os pertences das vítimas. Outros dois assaltos na mesma linha foram registrados na última segunda (24) e também na quinta-feira (21). No último dia 20, três suspeitos roubaram o dinheiro da bilheteria da estação Ipiranga e fugiram do local. Também neste mês, no dia 10, a CBTU desativou todos os caixas eletrônicos que funcionavam nas estações, devido â ação de assaltantes.

Diante do clima de medo por conta dos constantes assaltos, Fernando Barini falou que está atuando junto ao governo do estado, para minimizar essas questões, visando a segurança dos usuários e funcionários do modal. O presidente mencionou que há dois tipos de segurança: a que funciona dentro dos trens e a segurança patrimonial, a cargo da CBTU. “Logicamente que é importante contarmos com o poder público, principalmente na localização das guaritas, de modo a inibir a ação dos vândalos e assaltantes. Estaremos adotando uma série de medidas em todo o sistema gerido pela CBTU, através da contratação de novos concursados para realização de vistoria dentro dos trens urbanos – que é função nossa – e também alocando novos agentes patrimoniais armados, no sentido de inibir essas ações”, disse.

Confira a entrevista na íntegra:

Mais Lidas