TRAGÉDIA

Cabo da PM assassinado por soldado será sepultado no Cemitério Parque das Flores

O crime será investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP)

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 31/08/2015 às 6:38
Leitura:
Cabo Adriano passou recentemente em prova para sargento
Foto: Facebook

O enterro do policial Adriano Batista da Silva está marcado para às 15h, desta segunda-feira (31), no Cemitério Parque das Flores, no Recife. A morte do cabo vai ser investigada pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). O comando geral da Polícia Militar lamentou a morte do cabo Adriano e decretou três dias de luto em toda a corporação.

O repórter Rafael Carneiro traz os detalhes:

Sobre o soldado Flávio, o comando disse que ele passou por cirurgia neurológica e foi atendido pelo núcleo de dependentes químicos por uso de álcool. Depois que passou por tratamento, Flávio recebeu alta médica e foi reabilitado para o serviço militar.

O presidente da Associação de Cabos e Soldados, Albérrison Carlos, disse que o crime é reflexo das pressões sofridas pelos PMs. Para ele, os profissionais estão carregados de estresse, cobranças e ainda sofrem com a desvalorização do serviço.

Era início de plantão nesse domingo (30), a viatura do 11º Batalhão de Polícia Militar (BPM), formada pelo cabo Adriano Batista da Silva, e os soldados Flávio de Oliveira da Silva e Thaena de Lima Lemos Santos seguia para Guabiraba, local de trabalho na Zona Norte do Recife, quando uma discussão encerrou o que seria mais um dia de trabalho.

O cabo com 10 anos de corporação, que dirigia o veículo, decidiu voltar ao batalhão depois de uma discussão por motivo fútil com o soldado Flávio, quando foi surpreendido com um disparo de pistola ponto 40 na cabeça.

O carro trafegava pela Avenida João Batista Rego Barros, próximo ao Açude de Apipucos e do batalhão, quando perdeu o controle e atingiu mais dois carros. A policial e testemunha Thaene, foi quem controlou o volante até a viatura parar uns 300 metros à frente.

A vítima foi encaminhada para o Hospital da Restauração, mas não resistiu ao ferimento, morreu por volta das 11h.

O soldado Flávio de Oliveira da Silva, transferido do 17º batalhão, há um mês, ficou no local e não reagiu à prisão em flagrante. Ele foi autuado por homicídio qualificado, previsto no Código Penal Militar e fica à disposição do inquérito no Centro de Reeducação da PM (Creed).

A policial Thaena de Lima Lemos Santos, ficou em estado de choque, e o depoimento dela é importantíssimo para esclarecer o crime militar.

Em nota de pesar, o comandante geral da PM, Coronel Pereira Neto, lamentou o episódio que entristeceu a corporação e disse que todo apoio será prestado aos familiares da vítima. O cabo Adriano, como era conhecido, passou recentemente em prova para sargento e deixa esposa e filho.

Mais Lidas