JUSTIÇA

Réus acusados de arremessar vaso sanitário em torcedor no Arruda são condenados a mais de 20 anos de prisão

Os três réus foram condenados por homicídio pela morte de Paulo Ricardo Gomes da Silva

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 02/09/2015 às 14:20
Leitura:
Foto: Rafael Carneiro/Rádio Jornal

Na noite desta quarta-feira (2) chegou ao fim o julgamento dos três réus acusados de matar, com vasos sanitários arremessados da arquibancada do estádio do Arruda, o torcedor Paulo Ricardo Gomes da Silva, 26 anos.

Luiz Cabral de Araújo Neto, Waldir Pessoa Firmo Júnior e Everton Filipe Santiago Santana foram apontados no processo por homicídio duplamente qualificado. O júri popular seguiu com a escolha dos jurados - cinco homens e duas mulheres - e leitura da pronuncia do juiz Jorge Luiz dos Santos Henriques.

A mãe, Joelma Valdevino da Silva acompanhou o julgamento mas passou mal, foi socorrida por amigos e familiares e deixou o fórum. Os advogados de defesa tentaram utilizar a tática de desclassificar a acusação de homicídio e tentativa de homicídio.

Para o promotor do Ministério Público de Pernambuco, Roberto Brayner, que fez a acusação, os réus assumiram a postura de matar, já que sabiam que os torcedores adversários, escoltados, passavam pelo ponto em que arremessaram os vasos.

Foi a acusação quem iniciou os debates, já que os acusados se negaram a falar em juízo, o que adiantou o andamento do júri popular. Depois de 2h30 de sustentação oral, para um salão do júri totalmente lotado, o juiz determinou o intervalo para almoço.

No período da tarde, o debate recomeçou às 13h55 com a fala da defesa. Quem falou primeiro foi o defensor do réu, Everton Filipe, o advogado, Adelson José da Silva, com 50 minutos na tentativa de desclassificar a acusação de homicídio e tentativa de homicídio defendida pela promotoria. Depois dele, falaram também os advogados dos outros dois acusados, com o mesmo tempo de 50 minutos.

Após as argumentações finais da promotoria e defesa, o júri se reuniu para votar pela condenação ou absolvição dos réus. A votação foi secreta e durou aproximadamente uma hora. Ao todo, foram 72 perguntas respondidas pelo conselho de sentença. A decisão saiu por às 22h22 com a acusação dos réus.


Everton pegou 28 anos e nove meses, Luiz 25 anos, sete meses e 15 dias e Waldir 22 anos e seis meses. O responsável por definir esse período foi o juiz Jorge Luiz dos Santos Henriques, que presidiu a sessão. Os três foram condenados por homicídio consumado, a morte de Paulo Ricardo Gomes da Silva, 26, e por outras três tentativas de homicídios, pessoas que foram atingidas pelos estilhaços dos vasos sanitários.

Ouça a reportagem de Artur Ferraz:

Mais Lidas