POLÍCIA CIVIL

Preso estelionatário suspeito de praticar golpes que somam 10 milhões de dólares

Três outros suspeitos de participação na organização estão foragidos

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 10/09/2015 às 14:21
Leitura:
Delegado Mauro Cabral disse que a quadrilha era chefiada por Álvaro Vieira


Foi apresentado pela Delegacia de Roubos e Furtos, um homem procurado pela Polícia Civil e Ministério Público de Alagoas, sob a acusação de aplicar golpes milionários em empresas dos Estados Unidos e Costa Rica.

Amadeu Delanhy Bertho da Silva, de 42 anos, preso quando saía de casa, em Olinda, é apontado como aliciador de investidores para empresa Mineradora Minério, que tem sede na casa da mãe do suspeito em Areias, Zona Oeste do Recife.

Ele faz parte da quadrilha de estelionatários que era chefiada por Álvaro Vieira de Melo Cativo, preso no ano passado em flagrante na cidade de Maceió, no momento em que fechava um contrato de sociedade com uma estilista italiana. Foi o que explicou o delegado Mauro Cabral, titular da Delegacia de Roubos e Furtos.

Saiba mais na reportagem de Rafael Carneiro:


O golpe da quadrilha envolvia a venda do minério de Tantalita, usado para fabricação de vidros especiais, materiais de uso cirúrgico e telas de tablets e smartfones que não era enviado para os compradores. E quando esse material seguia para o destino final, chegava com baixa qualidade e em número menor do que havia sido negociado.

Oito vítimas desta quadrilha foram identificadas pela justiça da Paraíba. Estimasse que o grupo conseguiu 10 milhões de dólares com os crimes.

A advogada pernambucana Nandiza Barbosa, que representa uma estilista italiana, seduzida pela proposta de ganhar muito dinheiro com a exploração do minério, contou que o prejuízo inicial da cliente foi de R$ 400 mil. “Gabriela é uma estilista que mora em Milão onde ela fazia vários investimentos aqui no Brasil. Numa dessas viagens ao Brasil ela conheceu Amadeu através de um amigo em comum e ele ofereceu sociedade numa empresa de mineração”, detalhou, dizendo que após a italiana fazer o investimento, Amadeu sumiu.

Amadeu Delanhy está no Cotel, em Abreu e Lima, e deve ser encaminhado para a justiça alagoana para responder pelos crimes de estelionato e associação criminosa. Três outros suspeitos de participação na organização estão foragidos.

Mais Lidas