POLÊMICA

Suspeitos de incendiar ônibus na comunidade do Detran são irmãos de preso por tráfico

De acordo com testemunhas, os veículos foram incendiados para chamar atenção da sociedade para a prisão de um jovem e apreensão de uma adolescente que, segundo eles, foram injustas.

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 16/09/2015 às 6:13
Leitura:
Leonardo, Ronaldo e Leandro são irmãos de Romário Lucas da Silva, preso na última segunda-feira (14) por suspeita de tráfico. Fotos: divulgação/Polícia Civil


A Polícia Civil identificou três suspeitos de atear fogo a dois ônibus entre a noite da última segunda-feira (14) e a manhã da terça (15). Leonardo Santos da Silva (Leo Shazan), de 28 anos, Ronaldo Adriano dos Santos da Silva (Nado), de 27 anos, e Leandro Lucas da Silva (Boe), de 25 anos, são irmãos de Romário Lucas da Silva, preso por tráfico ao lado da esposa, uma adolescente de 17 anos que está grávida.

Os três jovens têm passagem pela polícia por tráfico. Um deles, conhecido como Leo Shazan, tem um mandado de prisão de prisão por homicídio. Os suspeitos continuam foragidos e a operação para prendê-los conta com equipes da Delegacia do Cordeiro e da Polícia Militar.

Os veículos foram incendiados na Estrada do Barbalho, na comunidade do Detran, Zona Oeste do Recife. A polêmica teve início na segunda-feira com a prisão em flagrante de Romário Lucas da Silva, que estava com 48 pedras de crack. A esposa dele, que não teve a identidade revelada, acabou sendo apreendida e encaminhada à Funase.

De acordo com testemunhas que moram na comunidade do Detran, a prisão do casal foi arbitrária. Eles afirmam ainda que a jovem, mesmo grávida, apanhou da Polícia Militar durante a apreensão.

Após os incêndios, parte da comunidade do Detran ficou sem energia elétrica. A Celpe foi ao local para religar a redes, porém, em oito domicílios, a distribuição ainda não foi regularizada. As equipes da companhia elétrica afirmam que foram hostilizadas e tiveram que deixar o local.

Mais Lidas