VIOLÊNCIA

Mecânico baleado próximo ao Complexo Prisional do Curado pensava em se mudar

Vítima morava no Alto da Bela Vista e morreu após levar um tiro no rosto

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 28/09/2015 às 15:55
Leitura:
Foto: Reprodução/ TV Jornal


A Polícia Civil aguarda o resultado de exames do Instituto de Medicina Legal (IML) e do Instituto de Criminalística (IC) para concluir a investigação da tentativa de homicídio a dois detentos, e a morte de um mecânico que estava em casa, no Alto da Bela Vista, após tumulto no Complexo Prisional do Curado, Zona Oeste do Recife, nesse domingo (27).

Para o gestor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) José Paulo Nogueira, neste momento ainda não é possível determinar de onde partiram os disparos e que armas foram utilizadas.

Rafael Carneiro traz as informações:

Por hora, já foram solicitadas as armas de agentes penitenciários e policiais militares de plantão e elas passarão por perícia. As ouvidas ficam sob responsabilidade do delegado Diogo Melo Vitor, do DHPP, que assumiu o caso.

E no velório do mecânico Ricardo Alves da Silva, familiares e amigos lamentavam a morte. Ele estava em casa escovando os dentes para ir ao trabalho quando foi atingido.

O sogro da vítima, o auxiliar de produção Josenildo Barbosa, disse que o genro e a filha, com medo dos constantes tumultos e rebeliões no Complexo do Curado procuravam um outro local para se mudar.

Vizinhos e familiares do mecânico denunciaram uma possível violação da cena do crime por parte de policiais militares que teriam ido até a casa coletar projéteis. O delegado do caso também vai apurar a informação. A investigação deve ser concluído em 30 dias.

Sobre as denúncias de violação de cena de crime, a Policia Militar não se pronunciou. Já a Secretaria de Ressocialização (Seres) informou por meio de nota que está realizando sindicância para apurar o motivo do tumulto.

Mais Lidas