DIREITOS HUMANOS

Corte internacional pede que Pernambuco tome providência sobre superlotação em presídios

Durante julgamento, Secretário de Justiça apresentou nova versão para tumulto no Complexo do Curado do início do ano

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 29/09/2015 às 9:12
Leitura:
Foto: Edmar Melo/JC Imagem


O secretário de Justiça de Pernambuco, Pedro Eurico, representou o governo do Estado na sessão convocada pela Corte Interamericana de Direitos Humanos. O julgamento discutiu as denúncias de superlotação, rebeliões e mortes no Complexo Prisional do Curado no início do ano.

A sessão desta segunda-feira (28) aconteceu na Costa Rica e foi coordenada pela Organização dos Estados Americanos. Integrantes de movimentos em defesa dos direitos humanos aproveitaram para fazer novas denúncias contra o sistema prisional do Estado.

A Corte Interamericana se mostrou preocupada com a utilização de detentos como chaveiros das celas e pavilhões. Sobre o episódio no Presídio Frei Damião de Bozzano, o Pedro Eurico ofereceu uma versão diferente da apresentada no início do ano para origem de tudo:

A Corte Interamericana de Direitos Humanos propôs que o Governo de Pernambuco investigue todas as denúncias e tome providências para resolvê-las. Após a sessão, o governador Paulo Câmara afirmou que o poder público não está de braços cruzados. O socialista também comentou a morte do mecânico vizinho do Comprexo Prisional do Curado:

A Organização dos Estados Americanos recebeu a denúncia de ONGs como a pastoral carcerária e a justiça global. O dossiê com 715 páginas detalha as rebeliões com mortes, torturas e superlotação. Em janeiro, dois reeducandos e um policial militar foram assassinados numa das unidades do antigo Aníbal Bruno.

Mais Lidas