SAÚDE

Em carta aberta, IMIP esclarece as dificuldades financeiras que vem enfrentando

O vice-presidente Simepe, Tadeu Calheiros, participou do programa Balanço das Notícias e falou que recebeu esta carta com preocupação

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 29/09/2015 às 18:27
Leitura:
Foto: Rodrigo Lobo | Acervo JC Imagem


Em carta aberta divulgada nesta terça-feira (29) pelo Instituto de Medicina Professor Fernando Figueira (IMIP), a instituição esclarece as dificuldades financeiras que vem enfrentando.

A carta afirma que a prestação de serviço do hospital tem sido prejudicada pelos repasses recebidos em atraso e com defasagem financeira, que estaria comprometendo a sobrevivência econômica do IMIP e acarretando atraso no pagamento de funcionários e fornecedores.

O documento também informa que a quantidade de alguns tipos de atendimento à população deve ser limitada. Em Pernambuco, o instituto administra quatro hospitais, oito UPAs e três UPAEs.

Para falar sobre o assunto, o vice-presidente do Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe), Tadeu Calheiros, participou do programa Balanço das Notícias com o comunicador Ednaldo Santos e falou que recebeu esta carta com preocupação. Ele fala que não há surpresa, tendo em vista que o Sindicato vem fazendo denúncias constantes, inclusive junto ao Ministério Público, sobre fechamento de postos de trabalho, redução e restrição de atendimentos e falta de insumos. “A instituição deve estar num ponto muito crítico pra vir à sociedade trazendo uma nota dessa, de um hospital tão importante para o estado que é o IMIP. Isso pra nós reflete, claramente, um problema maior: que é a falta de uma política séria, de financiamento da saúde, que vem desde o governo federal, governo estadual e [gestão] dos municípios”, alerta.

O vice-presidente do Simepe acredita que a responsabilidade é da Secretaria de Saúde do Estado, que deve dar as respostas sobre o caso, para que continue provendo a saúde da população.

Confira a entrevista na íntegra:

Mais Lidas