Suspeito de incendiar ônibus na comunidade do Detran no mês passado é preso em Paulista

Leonardo Santos, conhecido como Léo Shazam, foi preso em um local utilizado como ponto de comercialização de drogas

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 13/10/2015 às 14:12
Leitura:
Foto: JC Imagem


Um homem de 27 anos foi detido em um privê desabitado no bairro de Conceição, em Paulista. O local era usado como ponto de comercialização de drogas. De acordo com a polícia, Leonardo Santos da Silva, de 27 anos, mais conhecido como “Léo Shazam”, estava armada com uma espingarda calibre 44 e não reagiu à prisão.

Também foi detido no privê fazendo a segurança de 2kg de crack e 470 gramas de maconha, José Carlos da Silva, mais conhecido como Zé Vigia, de 39 anos, como detalha o titular da primeira Delegacia de Repressão ao Narcotráfico, Leonardo Dias. "Na sexta-feira (9), fomos direto ao local, abordamos ele [Léo] na saída do imóvel, ele já estava portando uma pistola .45, com grande poder de impacto. Não teve nenhuma resposta contra a equipe policial", disse.

Confira os detalhes na reportagem de Lélia Perlim:

Léo Shazam, que é suspeito de incendiar um ônibus na comunidade do Dentran, na Iputinga, Zona Oeste do Recife, no mês passado, foi localizado por meio de denúncias. "Ele é suspeito de ter ateado fogo num coletivo na comunidade do Detran e o motivo principal foi uma revolta a uma ação policial que aconteceu lá e culminou na prisão de um morador daquela localidade por tráfico de drogas”, detalhou. “Ele nega. Ele já foi preso cinco vezes por tráfico, porte de ilegal de arma de fogo e receptação. Agora ele foi preso mais uma vez por tráfico de drogas, associação, porte ilegal de arma de fogo e uso de documentos falsos”, destrinchou o delegado, afirmando ainda o alta grau de periculosidade do homem, tanto pela extensa ficha criminal quando pelo depoimento do homem, que afirma ser violento.

Contra Léo Shazam também havia em aberto dois mandados de prisão por homicídio e tentativa de homicídio. Ele também figura como suspeito de participar de os outros dez assassinatos.

Entre os crimes pelos quais os dois suspeitos vão responder estão tráfico de drogas, associação criminosa para o tráfico e porte ilegal de arma de fogo. A dupla já está no Cotel, em Abreu e Lima.

Mais Lidas