LITORAL PACÍFICO

Desarticulada quadrilha que praticava homicídios e tráfico de drogas nas praias do Estado

A investigação começou em abril de 2014 e terminou com o cumprimento de dez mandados de prisão na última quinta-feira (15)

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 19/10/2015 às 15:17
Leitura:
Delegados da Polícia Civil durante apresentação da Operação Litoral Pacífico
Foto: Clarissa Siqueira/ Rádio JornaL

Quinze pessoas foram presas durante a Operação Litoral Pacífico, da Polícia Civil, que desarticulou um grupo suspeito de tráfico de drogas e homicídios com atuação nos municípios de Cabo de Santo Agostinho, Jaboatão dos Guararapes e Igarassu.

De acordo com a polícia, a quadrilha seria responsável por, pelo menos, nove assassinatos e outras quatro tentativas de homicídios nas praias de Gaibu e Enseada dos Corais. A investigação começou em abril de 2014 e terminou com o cumprimento de dez mandados de prisão na última quinta-feira (15). Os detalhes das prisões foram divulgados nesta segunda-feira (19), em uma coletiva de imprensa.

Confira os detalhes na reportagem de Clarissa Siqueira:

Segundo o delegado Elder Bezerra, da 15ª Delegacia de Homicídios, o líder do grupo seria Alecsandro Ferreira da Silva, conhecido por Lela, que tinha a ajuda de Paulo Alberto Alves de Bito, o Paulo do Gás. A mulher de Lela, Aline Edileuza de Lima, era responsável por toda a contabilidade da quadrilha e ainda ameaça de morte quem devesse dinheiro do tráfico. O delegado afirmou ainda que outras três pessoas integrantes da quadrilha estão foragidas e a polícia segue as diligências.

Um menor de idade foi apreendido durante as investigações. Ele seria primo dos três irmãos Vanesso, Wanderley e Henrique das Candeias, integrantes do grupo. O delegado Felipe Monteiro, chefe da Divisão de Homicídios Sul, acredita que com a prisão das 15 pessoas a criminalidade nas praias de Gaibu, Enseada dos Corais e Porto de Galinhas vai diminuir.

Os homens detidos durante a operação foram encaminhados para o Centro de Triagem (Cotel), em Abreu e Lima, no Grande Recife. As mulheres estão na Colônia Penal Feminina do Bom Pastor, na Zona Oeste da capital pernambucana.

Mais Lidas