CRISE NOS PRESÍDIOS

Governo rebate dados da ONG Human Right Watch sobre situação de presídios pernambucanos

Secretário-executivo de ressocialização reconhece que é preciso retomar o controle dos presídios e acabar com os "chaveiros"

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 20/10/2015 às 17:54
Leitura:
Secretário Éden Vespaziano durante coletiva de imprensa
Foto: Lélia Perlim/ Rádio Jornal


O secretário-executivo de Ressocialização, Éden Vespaziano, concedeu entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (20) na sede da Secretaria Executiva de Ressocialização (SERES), na área central do Recife. O encontro teve como objetivo apresentar as ações que estão sendo feitas no sistema prisional do Estado durante o ano de 2015.

Os dados são uma resposta ao relatório apresentado nessa segunda-feira (19) pela ONG Human Right Watch. Nele foram apontadas inúmeras irregularidades nos presídios pernambucanos, entre elas, o comando das unidades pelos próprios presos – conhecidos como “chaveiros” – e também a superpopulação carcerária.

Segundo o Ministério da Justiça, Pernambuco tem a maior população carcerária do país, com cerca de 32 mil presos nas unidades, que têm capacidade para aproximadamente 10 mil pessoas.

Confira no flash de Lélia Perlim:

O secretário Éden rebate as críticas feitas pela ONG, mas reconhece que é preciso retomar o controle dos presídios. “Esse é um propósito firme nosso de voltar a ter o controle de todas as unidades prisionais. Nós precisamos fazer isso e iniciamos pelo rancho, pela cozinha, foi o primeiro chaveiro a ser retirado de dentro do sistema”, destacou. “Existem essas pessoas que ajudam na condução do processo, que tem um pouco mais de liderança, perante uma quantidade grande de presos, em razão dessa superlotação”, completou, afirmando que o trabalho está sendo feito para retirar esse controle.

O secretário também falou sobre o problema da superpopulação. “A solução tá começando a ser dada de imediato, com a abertura do presídio de Santa Cruz do Capibaribe, com Tacaimbó, até o final do ano. Mas para suprir todos esses déficits, com certeza, vai demorar um pouco em razão de construção”, avaliou o secretário.

Ainda de acordo com a SERES existem 410 detentos em todo o Estado com tuberculose, número diferente dos dados apresentados pela Human Right Watch que notificou 2.600 casos.

Mais Lidas