DEBATE

“A dor que você não cuida poderá se tornar crônica”, alerta ortopedista Guilherme Cerqueira

No debate desta terça, Geraldo Freire conversou com especialistas sobre como prevenir as dores nas costas

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 03/11/2015 às 15:21
Leitura:
Imagem reprodução


Um mal doloroso que acomete muitas pessoas foi tema do debate da Super Manhã desta terça-feira (3): a dor nas costas. O comunicador Geraldo Freire conversou com especialistas sobre como evitar e combater a dor. No estúdio da Rádio Jornal, o algologista Luciano Braun; a osteopata Ângela Moura e o ortopedista Guilherme Cerqueira falaram sobre o assunto e deram dicas sobre como prevenir as lombalgias.

Geraldo iniciou o debate apresentando dados de uma estatística da Organização Mundial de Saúde, que diz que a dor nas costas acomete ou ainda vai acometer, pelo menos por uma vez, 80% da população. O estudo fala ainda dos prejuízos que o Ministério da Previdência Social, que considera a dor nas costas um dos principais problemas de saúde, que geram licenças trabalhistas, com duração superior a 15 dias, junto com doenças como hérnia, varizes e depressão. Além disso, de acordo com o INSS, a dor nas costas está entre as principais causas de aposentadoria por invalidez no Brasil.

O ortopedista Guilherme Cerqueira afirma que a dor nas colunas é muito comum. Ele disse ainda que, boa parte destes casos, pode ser tornar uma dor crônica. “A dor que você não cuida poderá se tornar crônica”, alertou. O médico disse ainda que qualquer pessoa pode ter uma dor lombar, com uma noite mal dormida ou com uso de cadeira inadequada, podendo desenvolver a dor. “A dor lombar é uma dor difícil [...], tem casos em que a pessoa não se cuida. Um dos grandes fatores de dor é a obesidade, a falta de atividade física, é o vício postural” disse.

O ponto de auge da dor, de acordo com o ortopedista, se localiza na região lombar, na grande maioria. “Lombar e cervical também. De maneira geral, os médicos são muito acometidos com a cervicalgia. E hoje, esses celulares com esse zap-zap o tempo todo, você debruçado sobre aquilo ali, ninguém eleva o celular ao rosto, e sim baixa a cabeça em relação ao celular, comprometendo toda as estruturas cervicais, musculares e ósseas”, contou.

Os convidados deram dicas de como cuidar e alteraram para que as pessoas procurem sempre um médico para tratamento precoce da patologia.

Mais Lidas