SEGURANÇA

Seres apura detalhes sobre fuga em presídios do Grande Recife após fim de semana de tumultos

Teve fuga no Frei Damião de Bozzano, na Barreto Campelo e confusão no Cotel. Estado tem 10 mil vagas, mas população carcerária ultrapassa 32 mil pessoas

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 09/11/2015 às 9:52
Leitura:
Foto: reprodução/Google Street View


Um fim de semana "de cão" no estado com um dos piores sistemas prisionais do país. Fugas, tumulto e boatos colocaram mais pressão sobre a Secretaria de Ressocialização (Seres). Na madrugada do sábado (07), três detentos fugiram do presídio Frei Damião de Bozzano no Complexo prisional do Curado. Jailson Faustino da Silva, Wagner Souza da Silva e Renato Guedes de Miranda escaparam utilizando uma corda artesanal com panos e lençóis. Uma sindicância foi aberta para apurar o caso.

No Cotel, em Abreu e Lima, um boato de uma rebelião provocou um protesto do lado de fora da unidade prisional. Esposas e mãe dos presos protestaram contra a situação e chegaram a atear fogo em madeiras na frente da unidade. A situação foi controlada após a chegada da Polícia Militar.

O problema maior, no entanto, veio de Itamaracá com uma fuga após uma explosão na Penitenciária Barreto Campelo. A explosão abriu um buraco de 70 centímetros no muro da guarita 3. A unidade, tida como de segurança máxima, não divulgou a lista dos fugitivos.

Uma reunião de emergência foi convocada e realizada pelo governador Paulo Câmara ainda neste domingo (8). Familiares dos detentos da Barreto Campelo reclamam da direção da penitenciária. Uma mulher que não quis ser identificada relata os abusos dentro do lugar.



Depois de contagem nominal de detentos realizada nesta segunda (9), a Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres) constatou que cinco reeducandos fugiram da Penitenciária Barreto Campelo, em Itamaracá, depois da explosão no muro da penitenciária ocorrida neste domingo (8).

Os foragidos são Nauvivanio Ferreira da Silva, Giordanio Bruno Fernandes, Erivaldo Barreto da Silva, Mirivan Mariano Bezerra e José Jonas de Araújo. Até o momento nenhum detento foi recapturado.

Mais Lidas