DEBATE

Tumulto e rixa entre grupos no Complexo Prisional do Curado acaba com um detento morto

A Super Manhã discutiu problemas no sistema penitenciário do Estado com Secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, o promotor da Vara de Execuções Penais, Marcellus Uggieti, e o advogado criminalista Célio Avelino

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 19/11/2015 às 14:18
Leitura:
Confusão dentro do presídio
Foto: Isabela Dias/ Rádio Jornal


A superlotação e os frequentes tumultos e rixas entre presos resultaram, mais uma vez na morte de um detento dentro do Complexo Prisional do Curado, na Zona Oeste do Recife.

Na madrugada desta quinta-feira (19), no pavilhão “A” do Presídio Agente Marcelo Francisco de Araújo (PAMFA), uma briga entre os presos, deixou dois detentos feridos. Um deles, Manoel Leonardo Galdino da Silva, de 20 anos, foi esfaqueado no pescoço e morreu no hospital.

Moradores do bairro do Totó foram surpreendidos com barulho de tiro e sinais de confusão, vindos do presídio PAMFA.

Confira os detalhes na reportagem de Isabela Dias:

Famílias de detentos chegaram cedo e permaneceram durante toda manhã em frente ao presídio, em busca de informações sobre o ocorrido. Houve tumulto e reclamação.

O secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, contou detalhes da ocorrência e destacou as ações que estão sendo tomadas. “Houve uma disputa de grupos e aí começou uma briga e um deles perfurou o pescoço de um outro preso que veio a falecer. Já é uma ocorrência corriqueira. Ela acontece por que nós temos uma superpopulação”, disse. “Independentemente disso, você tem nos presídios pessoas que não têm convivência com outros grupos e muitas vezes você tem briga, disputa, que vai para a disputa física e termina infelizmente com uma pessoa vindo a óbito”, completou.
Ainda não há informações sobre o estado de saúde do preso ferido.

Nesta manhã, durante o debate da Super Manhã sobre a situação dos presídios, Pedro Eurico afirmou que o governo do estado vai liberar R$ 16 milhões para a duplicação do Presídio de Igarassu.

O debate contou ainda com a participação do promotor da Vara de Execuções Penais, Marcellus Uggieti, e o advogado criminalista Célio Avelino.

Debate da Super Manhã

O promotor disse que há falta de estrutura e de vigilância e que, muitas vezes, drogas e armas entram nos presídios pelos agentes. Já o secretário falou sobre as consequências do tráfico de drogas nos presídios. "O comércio da droga nos presídios potencializa outros casos de crimes entre detentos", disse secretário Pedro Eurico.

O advogado Célio Avelino criticou o volume de reeducandos do país. "Pernambuco [e o Brasil] prende muito e prende mal", diz advogado criminalista Célio Avelino.

Confira o debate completo:

Mais Lidas