Viúva do médico Artur Eugênio e médico Cláudio Amaro Gomes são ouvidos no Cremepe

Acusado de ser mandante do assassinato de Artur Eugênio, Conselho apura se Amaro infringiu normas éticas da profissão

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 23/11/2015 às 16:30
Leitura:
Médico Claudio Amaro durante entrevista ao SBT
Foto: Reprodução/ SBT

O Conselho Regional de Medicina (Cremepe), no bairro das Graças, ouviu na tarde desta segunda-feira (23), a viúva do médico Arthur Eugênio, Carla Azevedo, e o médico Cláudio Amaro Gomes.

Carla é parte no processo administrativo aberto no Cremepe que investiga o médico Cláudio Amaro Gomes, apontado pela polícia como um dos mandantes do assassinato de Arthur Eugênio, ocorrido em 12 de maio de 2014. O Conselho apura se Cláudio Amaro infringiu normas éticas da profissão. Se for confirmada a denúncia, o cirurgião pode ter o registro médico cassado.

Antes de ser ouvido, Cláudio Amaro, que deixou o Cotel, em Abreu e Lima, para prestar depoimento no Cremepe, conversou com a imprensa antes de entrar no prédio. “Eles fazem uma série de acusações que são infundadas. Na realidade, esse procedimento, esse processo não deveria nem ter sido considerado. Mas a partir do momento que eles fizeram algumas denúncias que são descabíveis, sem nenhum nexo, sem nenhuma razão de ser, cabe a mim, pontualmente, responder todas elas”, disse, afirmando que só iria dizer a verdade.

Confira no flash de Lélia Perlim:

O médico Cláudio Amaro Gomes e o filho dele, Cláudio Amaro Gomes Junior, são acusados de planejar a morte do cirurgião Arthur Eugênio. A vítima teria sido arrastada por dois homens na entrada do prédio onde morava no bairro de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife. O corpo dele só foi encontrado no dia seguinte com marcas de tiro, às margens da BR-101, em Jaboatão dos Guararapes. O carro de Arthur foi queimado e abandonado no bairro da Guabiraba, na Zona Norte do Recife. As investigações apontam que o crime foi cometido por divergências profissionais entre os dois médicos.

Mais Lidas