CRISE HÍDRICA

Situação dos agricultores do Agreste se agrava por conta da seca

A previsão para 2016 é de chuvas, mais uma vez, abaixo da média

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 24/11/2015 às 15:41
Leitura:
Foto: Acervo/ JC Imagem


Sem registro de chuva no Agreste de Pernambuco, agrava-se a situação dos moradores da região, especialmente do homem do campo. A cada dia que passa, fica difícil enfrentar os reflexos da longa estiagem. O pior é que as previsões não são nada animadoras.

O agrônomo do IPA, Fábio César, reforça a informação e faz uma previsão para 2016. “Segundo a APAC existe uma probabilidade que 2016 chuva, mais uma vez, abaixo da média. Existe uma probabilidade de 80%”, disse. “No Agreste, normalmente nos meses de dezembro e janeiro ocorrerem aqueles períodos de trovoadas. Há a possibilidade de cair em algumas áreas isoladas. Chuvas que até podem ultrapassar os 100 mm”, aponta Fábio César.

Giovane Gomes traz os detalhes:

Ele ainda orientou agricultores a como enfrentar a maior seca dos últimos anos. “O agricultor deve se preparar, por exemplo, na primeira chuva a partir de março, quando começa o período chuvoso, se a terra for molhada ele faça o seu plantio e vamos esperar para que mesmo a chuva de pouca intensidade, mas se elas forem um pouco regulares dá para ele ter qualquer coisa”, explicou.

Segundo o agrônomo, existe o programa de cisternas de 2012 até agora já foram construídas mais de 3 mil cisternas na zona rural e isso ajuda muito por que na hora que cai a chuva, mesmo de pouca intensidade, elas ficam abastecidas e ameniza a situação.

Mais Lidas