RISCO

Recife intensificará ações de combate ao mosquito Aedes aegypti

A principal suspeita das ocorrências de casos de microcefalia está ligada ao zika vírus, doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 25/11/2015 às 13:53
Leitura:

A principal suspeita das ocorrências de casos de microcefalia está ligada ao zika vírus, doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, o mesmo da dengue e da chikungunya.

No Recife, o combate ao mosquito é feito por 600 agentes espalhados pela cidade que são responsáveis, cada um, por 800 imóveis. Os profissionais orientam os moradores e fazem vistorias nas residências para identificar os principais focos e mapear áreas críticas.

De acordo com o gerente de Vigilância Ambiental do Recife, Jurandir Almeida, quando ocorre aumento dos casos de zika vírus uma ação de bloqueio é intensificada por esses agentes, nas localidades mais afetadas.

Confira na reportagme de Henrique Santos:

Jurandir também destacou que os bairros do Jordão, Alto do Mandu e Alto do Pascoal concentram o maior número das doenças transmitidas pelo mosquito no Recife.

Para o gerente, a população precisa antes de tudo eliminar o mosquito. “Os focos, 80% deles, estão nos domicílios. Então cabe ao proprietário, ao responsável ele dedicar 10 ou 15 minutos durante a semana para eliminar essas águas e possíveis focos. A gente fica muito preocupado com a doença, mas tudo isso começa com o mosquito”, apontou.

Em 2015 já foram registrados 15.152 casos de dengue no Recife. A prefeitura deve informar nos próximos dias, medidas de intensificação no combate ao mosquito.

Mais Lidas