POLÍTICA

Presidente nacional do PSDB deixa em aberto nome para candidato a prefeito do Recife

Aécio Neves se reuniu nesta sexta-feira com militantes e prefeitos tucanos no Recife e aproveitou para atacar a presidente Dilma Rousseff

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 27/11/2015 às 15:52
Leitura:
Aécio Neves discursa para plateia
Foto: Rafael Carneiro/ Rádio Jornal

Militantes e prefeitos do PSDB se reuniram para discutir a mobilidade no Nordeste, no empresarial JCPM, no Pina na Zona Sul do Recife, nesta sexta-feira (27).

O evento foi organizado pelo Instituto Teotônio Vilela e reuniu especialistas. O recém filiado ao partido tucano e ex-governador Joaquim Francisco recebeu o título de presidente estadual do instituto. Mas foi só o presidente nacional do partido e senador Aécio Neves chegar e todo o foco virou as eleições de 2016.

No discurso inicial, se solidarizou com os prefeitos da plateia, pelo que considera a legislatura mais difícil vivida até hoje. E reforçou o desejo da legenda em exercer papel fundamental, seja nas prefeituras, seja nas câmaras municipais de todo Brasil.

Confira na reportagem de Rafael Carneiro:

No caso do executivo do Recife, elogiou nominalmente o deputado federal Daniel Coelho e se esquivou repassando a responsabilidade para o diretório municipal do PSDB. “Eu tenho por Daniel uma extraordinária admiração como tem demonstrado já a população do Recife”, disse. “No momento certo, o partido vai tomar sua decisão. Não será uma decisão tomada pela direção nacional”, completou.

E sobre a política e economia nacional voltou a acusar a presidente Dilma Rousseff pela situação vivida pelo país. Já no fim da apresentação falou sobre os números de desempregados e disparou contra a petista. “A realidade é que a presidente Dilma Rousseff perdeu as condições de continuar governando o Brasil. Eu não sei qual será o caminho”, atacou.

Na primeira pauta do Recife o senador mineiro esteve com o ex-governador e deputado federal Jarbas Vanconcelos. Neste encontro, acenaram para o aprofundamento de conversas sobre a Câmara Federal e o Senado.

Mais Lidas