ALERTA

Brasil contabiliza 19 mortes de bebês com microcefalia. Pernambuco não tem registro de óbito

Nesta quarta-feira (9), a Secretaria Estadual de Saúde vai detalhar o boletim epidemiológico sobre os casos de microcefalia em Pernambuco

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 08/12/2015 às 15:15
Leitura:
Foto: Reprodução/ Internet

Pernambuco é o estado com o maior número de casos suspeitos de microcefalia. De acordo com a informação divulgada nesta terça-feira (8) pelo Ministério da Saúde, o número chega a 804. No Brasil, o total é de 1.761 casos suspeitos da doença, em 422 municípios. Até o momento, de acordo com o novo balanço, 14 estados registraram casos suspeitos da malformação.

Devido ao aumento dos casos, o diretor do Departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Claudio Maiterovitch, um novo protocolo foi elaborado e altera algumas definições. “Toda criança que nasce com gestação atermo, ou seja, com mais de 37 semanas e que tenha perímetro menor ou igual a 32 cm entra na classificação de suspeita de microcefalia por vírus Zika”, explicou, dizendo que os casos são analisados em busca de outras possíveis causas, como toxoplasmose e sífilis.

“Caso haja algum indício pelo tipo de malformação que pode ser mais complexo ele passa por análise genética também e, sendo descartada as outras causas, ele passa a ser um caso confirmado de microcefalia pelo vírus Zika”, completou.

Isabela Dias traz os detalhes:

Nesta quarta-feira (9), a Secretaria Estadual de Saúde vai detalhar o boletim epidemiológico sobre os casos de microcefalia em Pernambuco.

Sobre a possibilidade da criação de vacina para o Zika vírus, Cláudio Maierovitch diz que existe uma chance, mas que os estudos clínicos são demorados. “Nós não vamos vender falsas expectativas”.

Até agora, foram contabilizadas 19 mortes de bebês devido à condição. Deste total, sete óbitos ocorreram no Rio Grande do Norte, quatro em Sergipe, dois na Bahia e Rio de Janeiro, e um no Ceará, Paraíba, Maranhão e Piauí. Em análise inicial, o risco está associado aos primeiros três meses de gravidez.

Mais Lidas