PARTO

Depois de ser liberada de hospital, mulher dá à luz ao 8º filho dentro de ônibus em Olinda

Maria José de Almeida, de 38 anos, e a bebê passam bem. Depois do parto, elas voltaram ao Hospital do Tricentenário para avaliação médica

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 08/12/2015 às 10:02
Leitura:
Foto: Rafael Carneiro/Rádio Jornal


A gravidez e o parto são caixinhas de surpresa, mas, no caso de Maria José de Almeida, de 38 anos, o nascimento de Vitória não foi das boas. A gestante chegou ao Hospital do Tricentenário, que fica no Sítio Histórico de Olinda, na Região Metropolitana do Recife, sentindo contrações, foi avaliada e mandada embora. Antes de Maria José chegar em casa, ainda dentro do ônibus, Vitória nasceu.

De acordo com a acompanhante, Maria José Sobral, o médico plantonista pediu para a gestante voltar para casa por que não estava na hora do bebê nasceu. "Ele pediu para ela ir pra casa, botar um absorvente e repousar. A gente foi embora e pegou o ônibus, aí começou a sentir dor e a menina nasceu dentro do ônibus", conta. Saiba mais na reportagem de Rafael Carneiro:

Segundo a coordenadora da maternidade do Hospital do Tricentenário, Erica Ximenes, a decisão do plantonista foi baseada na ficha de atendimento. Maria José de Almeida chegou com dois centímetros de dilatação, o que não significaria um trabalho de parto ativo. Ela foi atendida por um enfermeiro obstetra e pelo médico plantonista, que tomaram a decisão em conjunto, sem levar em conta que era o 8º bebê de Maria José. "Lembrando que a multiparidade que ela traz pode evoluir mais rapidamente para o parto normal", diz.

Foto: reprodução/TV Jornal


De acordo com testemunhas, o parto de Maria José aconteceu dentro de um ôbnibus que faz a linha TI Xambá/Rio Doce (Getúlio Vargas) na chegada ao Terminal Integrado do Xambá, que fica no bairro de Peixinhos, na Zona Sul da cidade. Os passageiros chamaram uma ambulância do Samu e Maria José, junto com Vitória, foram levadas de volta ao hospital. O mesmo médico que a liberou terminou o atendimento.

Maria José de Almeida passa bem, mas não deve receber alta hoje. Um procedmento administrativo para apurar a conduta do médico e quais foram as condições que o levaram a liberar a paciente.

Mais Lidas