BARBÁRIE

Delegada pede ajuda da população nas investigações do assassinato da criança em escola de Petrolina

A perícia inicial do local do crime não dá indicativo de qualquer tipo de violência sexual, segundo a delegada responsável pelas investigações Sara Machado

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 11/12/2015 às 14:17
Leitura:
Foto: Reprodução/ TV Jornal

O caso da garota Beatriz Angélica Mota, de 7 anos, encontrada morta, nessa quinta-feira (11), durante uma festa de formatura no Colégio Maria Auxiliadora, em Petrolina, no Sertão de Pernambuco, causou comoção na cidade.

A delegada Sara Machado disse que a polícia já está trabalhando em algumas linhas de investigações, mas até o momento ainda não tem informação do autor do crime. “A gente está divulgando nos meios de comunicação, solicitando a população, as pessoas que participaram da festa, que entrem em contato com a delegacia de homicídios para que a gente possa analisar imagens e filmagens que possam ter sido feitas de câmeras particulares, aparelhos celulares para que possa ajudar a gente nessa investigação”, solicitou.

Segundo a delegada, a polícia ainda não trabalha com nenhum nome ou identidade específica do suposto autor do crime. “Temos notícias de fotografias e imagens que estão espalhadas em redes sociais imputando o crime a determinadas pessoas. A gente quer esclarecer que essas informações não são oficiais, não estão condizentes com a realidade das investigações. A gente pede para toda a população que pare de compartilhar qualquer informação nesse sentido”, alertou a delegada.

Confira os detalhes no flash de Ângela Santana:

A perícia inicial do local do crime não dá indicativo de qualquer tipo de violência sexual. Os funcionários da escola foram orientados a não darem entrevista.

O corpo foi liberado por volta das 11h e está sendo velado no Serviço de Assistência Familiar (SAF) de Juazeiro, na Bahia. Às 16h, será liberado para o povoado de Campos, distrito de Riacho da Pedra, onde será sepultado.

Mais Lidas