ENTREVISTA

"Pra nós, esse governo está fazendo mal ao Brasil", critica prefeito do Recife, Geraldo Julio

Prefeito participou do Debate da Super Manhã, nesta quarta-feira (16)

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 16/12/2015 às 12:34
Leitura:
Foto: Rádio Jornal

O prefeito do Recife, Geraldo Julio, participou do debate da Super Manhã nesta quarta-feira (16). Geraldo Freire e os jornalistas do Jornal do Commercio Giovanni Sandes e Laurindo Ferreira conversaram com ele sobre a administração municipal e sobre política nacional.

Ele começou falando sobre as festividades de fim de ano. “Nós estamos fazendo com verba de patrocínio. “Faremos sim um réveillon descentralizado, mas vamos fazer com muito esforço”, diz o prefeito.

Sobre o carnaval de 2016, o prefeito afirmou que já finalizou o planejamento da festa. “Vai ser um carnaval mais barato. Vai ser como o São João deste ano”, comparou, lembrando que na festividade junina houve redução de polos e os gastos foram cortados pela metade.

Ele anunciou ainda que, este ano, a prefeitura vai permanecer sem o camarote do galo. “Não teremos camarote no carnaval. É uma decisão definitiva. Uma mudança de postura com a sociedade”, disse.

O prefeito foi desanimador com relação a situação econômica brasileira. Mas disse que é um desafio enfrentar o momento. “Estou pronto para viver 2016 sem crescimento de receita. Vamos ter o mesmo dinheiro de 2015, que já foi uma receita difícil”.

Sobre entrega de obras garantiu que a Via Mangue vai ser entregue "mesmo se Brasil estiver de cabeça para baixo". E defendeu a construção do Hospital da Mulher. "O Hospital da Mulher é um equipamento e transformador na vida das recifenses. Será um local de humanização da saúde", comentou.

O prefeito do Recife teceu fortes críticas a gestão da presidente Dilma Rousseff. "Nós não concordamos com esse governo [Dilma]. Pra nós, esse governo está fazendo mal ao Brasil", atacou. E sobre o impeachmente, disse: "Ser contra ou a favor do governo não é ser contra ou a favor do impeachment. O processo precisa andar para haver se houve crime ou não".

Confira debate completo:

Mais Lidas