CRIMES

Operação Cash prende quadrilha que teria dado prejuízo de, no mínimo, R$ 100 mil a lojas online

Grupo roubava dados de usuários de cartão crédito. Informações eram obtidas, inclusive, em grupos do Facebook

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 28/12/2015 às 17:26
Leitura:
Equipamentos apreendidos
Foto: Lélia Perlim/ Rádio Jornal


A Polícia Civil de Pernambuco prendeu sete pessoas suspeitas de vários crimes, entre eles, estelionato, receptação qualificada e de organização criminosa. As autuações ocorreram na Operação Cash, desencadeada nesta segunda-feira (28), nos bairros da Estância, Iputinga e Mustardinha.

Além das prisões, também foi cumprido um mandado de condução coercitiva contra uma adolescente de 16 anos, que era namorada do líder da quadrilha. Um outro adolescente da mesma idade não foi localizado.

Confira os detalhes na reportagem de Lélia Perlim:

Nos nove pontos onde foram realizadas buscas, os policiais conseguiram apreender computadores, relógios, celulares e roupas. Os integrantes da organização criminosa atuavam de dentro de casa, com computadores, invadindo contas e também comprando dados de cartões de crédito de outras pessoas.

Delegados Darlson Macedo, Antônio Barros, Salustiano Albuquerque e Eronides Alves de
Meneses Júnior

O delegado Eronides Alves de Meneses Junior explicou que os suspeitos atuavam há cerca de dois anos. “Eles obtinham informações, compravam informações de cartão de crédito, que são anunciadas livremente no Facebook, em algumas comunidades que eles fazem parte. Com essas informações eles tentavam fazer as compras ou até ainda terceirizavam o serviço para alguém que validava as informações que eles compravam”, detalhou.

Três dos presos atuavam como hackers. Eles entravam em sites bastante conhecidos e utilizados pela população. “Eles tinham conhecimento um pouco mais avançado então conseguiam obter maiores informações para conseguir o login, a senha, as informações que estavam lá de uma compra passada, do verdadeiro usuário. Então eles alteravam endereço, telefone, para receber as mercadorias”, esclareceu o delegado.

A polícia acredita que o prejuízo para as lojas seja de R$ 100 mil.

Mais Lidas