PASSANDO A LIMPO

Advogado reprova prisão da mãe de criança atacada por pitbull

Segundo João Bosco Albuquerque, a prisão foi um ato de abuso

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 18/01/2016 às 11:51
Leitura:

No quadro Passando a Limpo desta segunda-feira (18), o comunicador Wagner Gomes recebeu os jornalistas Jamildo Melo e Mirella Martins para comentar os assuntos mais polêmicos do final de semana. Um dos destaques foi o caso do bebê Nicolas Johab Ferreira da Silva, de 11 meses, que foi atacado por um cão da raça Pitbull no último sábado (16).

De acordo com a mãe da criança, o menino ficou em casa com a irmã de 13 anos para ela poder ir vender verduras no Mercado de São José. Nicolas foi atacado pelo animal de estimação da avó, o cachorro conhecido como Babuíno, na residência da família em Jardim Monte Verde, no Ibura. Na tentativa de salvar o bebê, o animal foi sacrificado. A feirante havia sido presa em flagrante por abandono de incapaz e encaminhada para a Colônia Penal Feminina, no Engenho do Meio. Depois de abaixo-assinado dos vizinhos e pressão da imprensa, a feirante foi liberada pela polícia para acompanhar o estado de saúde do filho. Ela diz que precisava ir trabalhar para poder conseguir criar os filhos.

Sobre o assunto, os convidados entrevistaram o advogado João Bosco Albuquerque, que reprovou a prisão da mulher. “Entendo que a prisão foi um ato de abuso, porque o contexto social privou a mãe de qualquer outro zelo. A mãe tinha que ir ‘buscar o pão’ para alimentar os filhos”, afirmou o advogado.

Ouça abaixo o Passando a Limpo na íntegra:

Mais Lidas