Situação dos presídios de Pernambuco no debate da Super Manhã

O secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico e o promotor da vara de execuções penais, Marcelus Ugiette participaram do programa

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 27/01/2016 às 12:18
Leitura:
Foto: Isabela Dias | Rádio Jornal


Diante dos recentes acontecimentos nos presídios do estado e a crescente preocupação com a segurança, o debate da Super Manhã desta quarta-feira (27), abordou a situação dos presídios de Pernambuco. Para falar sobre o tema, o comunicador Wagner Gomes, recebeu no estúdio da Rádio Jornal, o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico e o promotor da Vara de execuções penais, Marcelus Ugiette. Também participou o debate o jornalista do JC, Felipe Vieira.

Na manhã desta quarta (27), apenas três dias depois de uma fuga de 40 presos terminar com um detendo morto, sete feridos e um foragido, o Complexo do Curado volta a registrar um princípio de tumulto. A informação é de que um homem teria jogado um malote de drogas pelo muro. Além deste episódio, a Penitenciária Barreto Campelo registrou uma fuga em massa na última quarta-feira (20). De acordo com a Secretaria de Ressocialização, 53 detentos fugiram.

Foto: Reprodução | Google


O secretário de justiça e direitos humanos, Pedro Eurico, falou sobre as condições atuais do Complexo do Curado. Sobre o conflito desta quarta, o secretário afirmou que não houve rebelião. “Aconteceu d um grupo descer de um pavilhão para manifestar insatisfação e colocaram uma barricada. Nosso pessoal de segurança interna ocupou a área, e pacificou-se a situação. Nesse ínterim, lançaram um malote de drogas da parte externa. O preso que tentou resgatar essa droga recebeu um tiro de raspão. Ele foi atendido na enfermaria e foi transferido para o HR”, disse.

Sobre as tentativas de lançamento de objetos para dentro do Complexo, Pedro Eurico falou sobre o reforço nos muros e linhas de segurança instaladas. “Nós já fizemos uma linha de segurança na área interna e externa e os alambrados na parte superior da muralha, para evitar lançamento de drogas e armas dentro do presídio. Quem for se apropriar de drogas dentro do presídio pode ser alcançado por arma de fogo, porque é um perímetro de segurança e o governo não vai abrir mão disso”, falou.

O secretário de justiça também falou sobre o ocorrido no último sábado (23). “No momento da explosão do muro, os presos conseguiram puxar o alambrado o derrubá-lo. Nós vimos que temos que reforçar essa estrutura (...) nós não vamos tolerar que os presos se aproximem da muralha”, concluiu.

Com relação aos moradores do entorno, o secretário falou que seria tratado. “Amanhã eu estarei no presídio juntamente com o secretário João Braga (...) e vamos analisar toda a área para ver que posição que vamos tomar”. Pedro Eurico disse ainda que o entorno do Complexo do Curado era um grande vazio. “O adensamento ali se deu por uma questão de facilidade do transporte de massa”. Ele disse ainda que foi um grande erro a construção do residencial do Planalto.

Sobre a possível desativação da unidade do Curado, Pedro Eurico classifica que não seria a melhor solução. “É necessário construir novas unidades para que o local seja desafogado”, disse. De acordo com o secretário Pernambuco está construindo sete novas cadeias em Araçoiaba com recursos do Ministério da Justiça, e repasse da Caixa Econômica obra orçada em R$ 130 milhões.

Para o promotor Marcelus Ugiette, a solução estaria na criação de penas alternativas e julgamento dos detentos com mais agilidade: “É preciso implementar alternativas penais e penas alternativas, para redução da população carcerária”, disse.

Confira o debate na íntegra:

Mais Lidas