TRABALHO ESCRAVO

MPT de Pernambuco propõe criação de comissão específica para combater a exploração no estado

De 1995 para cá, cerca de 50 mil pessoas foram resgatadas de condições sub-humanas

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 28/01/2016 às 15:42
Leitura:

Imagem ilustrativa
Foto: Reprodução/ Internet


Você já pensou em trabalhar mais de 8 horas por dia em troca de água ou alimentação? Ter que se submeter a jornadas exaustivas só para pagar uma dívida? Mesmo em pleno século XXI, alguns profissionais sofrem com esta realidade.

Dados do Ministério do Trabalho e Emprego, apontam que de 1995 para cá, cerca de 50 mil pessoas foram resgatadas de condições sub-humanas. Nesta quinta-feira (28), é comemorado o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, por conta disso, o Ministério Público do Trabalho de Pernambuco, propôs a abertura de uma comissão para combater casos de exploração a servidores do estado.

De acordo com a procuradora, Débora Tito, há 3 anos o órgão aguarda resposta do governo de Pernambuco para dar início as ações. “A gente precisava criar essa comissão desde 2013. Pernambuco está pendente de criar essa comissão há três anos. E a gente tá aproveitando o momento político muito ruim em que nós estamos na questão da temática do trabalho escravo. Por que existem projetos de lei que querem diminuir o conceito atual de trabalho escravo”, disse. “Querem que o trabalho escravo volte a ser como era em 1888. Só vai ser trabalho escravo se a pessoa tiver em cárcere privado ou com algum impedimento de liberdade”, completou a procuradora.

Confira a matéria de Gabriel Almeida:

Ainda de acordo com a procuradora, entre o que pode se enquadrar como trabalho escravo é o não pagamento de horas extras e a falta de equipamentos de segurança. “A gente já pegou engenhos de cana de açúcar aqui em Pernambuco pessoas cortando cana de açúcar com chinelo. Completando depredados, com aspecto de embrutecimento. Pessoas de 20 anos com cara de 50 anos”, relatou.

O governo do estado tem até o final de fevereiro para se posicionar sobre a abertura da comissão em Pernambuco.

Mais Lidas