JULGAMENTO

TJPE mantém decisão de levar segurança que atirou em Lucas Lyra à júri popular

Nesta terça-feira (16), o crime praticado em frente à sede do Clube Náutico Capibaribe, quando um tiro foi disparado e atingiu a cabeça de Lucas, completou três anos

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 17/02/2016 às 17:06
Leitura:
Foto: Acervo JC Imagem


A segunda câmara criminal do Tribunal de Justiça de Pernambuco manteve a decisão de levar o segurança que atirou no torcedor do Náutico, Lucas Lyra, à júri popular. O relator que analisou o recurso do réu José Carlos Feitosa Barreto, o desembargador Antonio de Melo e Lima, apontou que há indícios do cometimento do crime nos autos, diante dos depoimentos e provas colhidas e que por isso o julgamento deve seguir para a análise de um conselho de sentença.

A irmã de Lucas Lyra, Mirela Lyra, fala que a decisão é uma conquista muito importante. “Saber que ele vai a júri popular e responder pelo crime que cometeu, não tem como dizer que foi sem querer (...) foi uma tentativa de homicídio”, disse.

Nesta terça-feira (16), o crime praticado em frente à sede do Clube Náutico Capibaribe, quando um tiro foi disparado e atingiu a cabeça de Lucas, completou três anos. Mirela relata que a vida da família mudou completamente e como estão os dias de Lucas, que deve ir pra casa em breve. “Os dias da gente têm sido capacitados (...) para que a gente possa cuidar de Lucas como ele merece ser cuidado”, falou.

Depois de publicado o acórdão da decisão no Diário Oficial, o réu tem 15 dias para recorrer no Superior Tribunal de Justiça, em Brasília. Caso ele não recorra, esse processo volta para a 1a. vara, onde a data do julgamento vai ser marcada.

Confira a reportagem de Lélia Perlim:

Mais Lidas