OSTENTAÇÃO

Polícia procura um dos líderes da quadrilha que roubava casas no litoral de PE e PB

Seis pessoas já foram presas, mas Damião Jadson da Silva, apontado como um dos líderes da quadrilha, continua foragido

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 29/02/2016 às 15:36
Leitura:
Foto: Clarissa Siqueira/ Rádio Jornal

Ostentar. Esse era o objetivo da quadrilha que foi desarticulada pela Polícia Civil suspeita de roubar quadriciclos, jet skys, computadores e sons automotivos em mais de 13 casas e estabelecimentos comerciais. Entre os meses de setembro de 2015 e janeiro de 2016 o grupo agiu nos estados de Pernambuco e da Paraíba, principalmente nos litorais. Ao todo, seis pessoas foram presas, mas Damião Jadson da Silva, apontado como um dos líderes da quadrilha, continua foragido.

De acordo com a Polícia Civil, que divulgou detalhes da investigação da Operação Trilha, nesta segunda-feira (29), Marcus Odiolon Silva Tavares, Michel Medeiros e Damião Jadson, roubavam casas durante a madrugada, de maneira silenciosa, para revender os objetos ou com eles manter uma vida de luxo em festas conhecidas por "Paredão das Cachorras".

O delegado responsável pela investigação, Thiago Uchôa, titular de Goiana, detalha que a polícia procura pelo suspeito foragido e por possíveis receptadores do grupo. “A gente tem um prazo para concluir essa investigação. A gente ainda tá tentando recuperar mais objetos. A gente está fazendo diligências nos outros estados”, disse o delegado, acrescentando que até o final de março deve ter novas informações.

Os roubos foram registrados nas cidades de Goiana, Tamandaré, Surubim, Taquaritinga do Norte e Carpina, no estado de Pernambuco e nos municípios de Campina Grande, Conde e Pitimbu, na Paraíba. Em pelo um dos estabelecimentos comerciais roubados, em Carpina, foram levados mais de R$ 100 mil em aparelhos de som.

Os detalhes na reportagem de Clarissa Siqueira:

O delegado Thiago Uchoa, diz como o grupo costumava agir. “Eles alugavam uma residência no litoral sul da Paraíba e a partir daí eles faziam todo percurso para conhecer os alvos, conhecer as vítimas”, detalhou o delegado. “Eles levantavam onde tinha paredão de som, quadriciclo, jet sky e então, a partir daí eles levantavam e durante a madrugada eles praticavam o fato e retornavam ou para Campina Grande, onde é a sede da quadrilha, ou eles retornavam para Jacumã”, explicou o delegado. Ele ainda afirmou que a quadrilha levava “paredões de som” para praças no intuito de atrair as vítimas que também montavam os equipamentos nos locais.

Entre os detidos estão também a esposa de Marcus, Mayrla Layzy e Alisson Silva, que promovia as festas nas redes sociais. Os homens foram encaminhados para a cadeia pública de Goiana e de Campina Grande. Já a mulher permanece na Cadeia Feminina de Campina Grande. Se condenados na justiça por roubo e associação criminosa, eles podem ter uma pena de mais de 18 anos de reclusão.

Mais Lidas